Mulheres Pretas na Antiguidade – Ivan van Sertima – Palestra

Black Women in Antiquity - Capa

Mulheres Pretas na Antiguidade
Ivan van Sertima – Palestra

Black Woman In Antiquity
Ivan van Sertima

Texto transcrito e traduzido a partir da Palestra do Professor Ivan van Sertima,
em vídeo no youtube, Dr. Ivan Van Sertima – Black Women in Antiquity –
unicamente para fins de informação –

 

Ivan Van Sertima – Mulheres Pretas na Antiguidade – Palestra

 

“Eu venho com certa hesitação para lecionar sobre “Mulheres Pretas na Antiguidade” [“Black Women in Antiquity“], porque difícil como tem sido para resgatar da antiguidade o Negro, como tal, à luz de tudo o que tem sido feito para reprimir e obscurecer esta história, tem se tornado ainda mais difícil para resgatar a Mulher Negra, da antiguidade.

Da mesma forma que nós temos encontrado uma tentativa do Branco para suprimir [overrun] e colocar uma sombra sobre o Negro, nós temos encontrado em muitas culturas e civilizações do mundo uma tentativa de colocar as mulheres sob a sombra do ego masculino.

Isto não foi assim em África como tem sido na Europa e na Ásia.

Eu agora vou apresentar-vos uma história idílica sobre o respeito Africano pelas mulheres.

Ele é enraizado não em simples lendas idílicas, ele é enraizado em um profundo mito de criação.

Nós temos sido ensinados, e talvez fosse apenas uma história simbólica ou uma fábula alegórica, mas nos têm sido ensinado que os homens originaram no Jardim do Éden com Adão e Eva.

Agora, aquela estória como a de Adão e Eva na Bíblia não é suposta para ser tomada literalmente, porque os homens não têm conhecimento de como eles começaram; exceto neste planeta, os homens não tem conhecimento sobre como o universo começou.

Dentro dos últimos anos temos chegado muito perto de entender como o Universo começou. Bell Labs, alguns anos atrás descobriu um barulho que está por trás do universo, um barulho que nós nunca ultrapassamos, porque aquele representa, eles dizem, o BANG, o primeiro Big Bang a partir do qual este universo veio. A tremenda explosão do Universo.

Mas, o quanto o mais olhamos para o universo o mais nos tornamos conscientes de sua extraordinária complexidade e seu tamanho extraordinário. Na semana passada, descobriu-se, de fato, que nós somente observamos ou apenas intuímos um décimo da massa do universo.

No entanto, apesar do mistério e da magia que ele envolve, sobre uma coisa nós estamos muito claros agora, nós sabemos como o homem veio neste planeta e sabemos, sem sombra de dúvida, que esse primeiro homem foi Africano, e nós sabemos agora algo mais que é muito mais importante e isso é que todos os seres vivos agora na Terra que são chamados de Homo Sapiens Sapiens vieram de uma Mulher Negra a cerca de 100.020 a 100.040 anos atrás.

Há apenas alguns anos atrás isso não era conhecido, isso é muito, muito recente.
Nós já sabemos há muito tempo que a humanidade, homens e mulheres, nasceu na África, o que não significa muito, macacos nasceram na África também, então, aquilo, por si só, não significa absolutamente nada, o que temos descoberto recentemente é muito, muito mais importante.

O que eles descobriram é que não só o primeiro homem e mulher nasceram na África, mas o último homem, a última etapa do homem e da mulher nasceu na África.

Há seis etapas da evolução da espécie humana e se eu usar o termo “homem” no geral, me perdoem, não é machista, é um hábito.

Há seis estágios no desenvolvimento do homem, e ‘supunha-se’que o homem havia saído da África em um estágio muito primitivo de baixo nível e, em seguida, evoluiu o estágio superior na Europa e na Ásia.  Assim, quando eu estava indo para a Universidade, se nós levantávamos a questão de que o primeiro homem nasceu na África, o meu professor, fosse Europeu ou Americano, Ele dizia: “Tudo bem, todos nós sabemos disso, todos nós aceitamos isso. Mas isso não significa que eles são iguais. Apenas significa que o homem saiu em um estágio incompleto muito bruto, Negro sim, mas, então, ele emergiu o finamente refinado tipo Branco, que desenvolveu a civilização e, em seguida, trouxe-a de volta para os infelizes bárbaros ignorantes em África.

Portanto, o fato de que os homens nasceram na África não era nada de significado duradouro, então, veio um estudo extraordinário, que só foi publicado a cerca de um ano e meio atrás, em Oxford, uma das Universidades mais conservadoras do mundo foi a primeira Universidade a publicar o estudo de onze doutores que clamavam com precisão científica a qual havia agora nenhuma dúvida, que o Africano proveu a fundação da população do mundo moderno.

Em outras palavras, os últimos homens na Terra. A fase final dos homens, o estágio mais evoluído do homem, carregando a caixa do cérebro do homem moderno, com o tamanho e circunvoluções do cérebro do homem moderno estava na África.

E desde então, estudos têm saído do Havaí, estudos têm saído da Califórnia que mostram que uma Mulher Negra, é a mãe de todas as pessoas no planeta neste momento.

E eles têm sido capazes de rastrear através de Estudos Negros de DNA, análises dos polimorfismos de DNA, e eles podem mostrar-lhe que a Mulher Negra Carrega Tudo, nenhuma outra mulher o faz, Ela carrega Cada Elemento. Existe uma certa fase em que há uma ruptura em um desses elementos, que apenas residem Nela, eles não residem em outras pessoas. Isto não os torna inferiores mas deixa bem claro que existem ramos, mutações, extensões daquela Mulher Central.

Daí o mito que temos na Bíblia, e não estamos atacando a Bíblia, porque você tem que entender que era necessário para os primeiros Patriarcas que escreveram a Bíblia (e a Bíblia está cheia de verdade, verdade histórica, não rejeite-a), mas, era necessário para os primeiros Patriarcas que não tinham idéia do que aconteceu ou não tinham nenhuma idéia sobre os primórdios e assumiram que suas teorias e hipóteses chegaram a eles de Deus acima, era natural para eles a assumir, uma vez que eles estavam no comando e eles eram do sexo masculino, que Deus criou o homem em primeiro lugar, e, em seguida, ele tomou uma costela do complexo homem e criou a Mulher.

A Mulher, na verdade, é fisiologicamente mais complexa que o sexo masculino e a mulher não pode sair do sexo masculino.

Eva não pode sair de Adão, somente Adão pode sair de Eva.

Os Africanos não têm essa teoria absurda de eventos.

Os Africanos criaram o mito de Ísis e Osíris.

Isis e Osíris assim como Adão e Eva lhe dão uma visão da integralidade do ser humano através da igualdade do homem e da mulher.

Deus não é um homem, Deus não é uma mulher, Deus compreende ambos.

E na estranha história de Ísis, a Grande Deusa Preta, procurando Osíris, o Grande Deus Preto, é que você encontra que Set, que se tornou o protótipo para “Satan”, que é Africano, a propósito, todos esses conceitos foram criados, por incrível que pareça, os encontramos como possuindo tantas centenas de anos na África.

Satan é Egípcio. Satan é uma força, A força do mal.

Satan [Set] destrói Osíris o corta em muitos pedaços

e Isis vai à procura de Osiris e ela encontra a maioria dos pedaços, mas havia um pedaço que faltava, não precisamos citar aquele pedaço; é o pedaço que está ausente na Mulher e está presente no Homem. Mas este pedaço não pode fazer sentido sem a mulher, em outras palavras, aquele pedaço é o que lhes completa.

Então, Isto não é como se você tivesse o Grande Deus Masculino e a inferior Deusa Feminina, Não. Ela se torna a Irmã, a Esposa, a Mãe. Ela é tudo o que é Feminino, o Princípio Feminino do Universo, e Ele é tudo o que é o Princípio Masculino do Universo, que completa o Universo, a fim de criar a vida.

Assim, você tem uma visão de criação completa através das mulheres que você não encontra na precoce versão imaginativa absurda que você encontra no mito de Adão e Eva.

Aquele mito de Adão e Eva, interpretado como tem sido posteriormente na história, deixou profundas concepções da Mulher como inferior, em algumas vezes, em algumas civilizações como essencialmente má, vista como sendo suposta de ser o grande tipo imoral, etc.

Este não foi o caso na Mitologia Africana.

Assim que você já tinha o mito divino o qual dava base, ele era uma espécie de alicerce para uma realidade que poderia dar às mulheres uma maior liberdade e poder.

Não é por acaso, portanto, que muitas das Deusas dos Europeus eram Negras.

Eles poderiam ter escolhido as suas próprias mulheres, eles até escolheram algumas de suas próprias mulheres, mas, as Deusas mais importantes eram Negras.
Não apenas para o Africano agora, na civilização dos Gregos.

O Grego foi tão profundamente afetado pelos Africanos que a Deusa da Castidade era uma Mulher Negra, Artemis;
A Deusa da Sabedoria era uma Mulher Negra, Minerva;
A Deusa da Beleza, era uma Mulher Negra, Diana;
E muitas de suas figuras mitológicas, as quais foram fundamentais para a visão da história, a história dos Gregos na Odisséia,
a Mulher que tem o poder de atrair a Odysseus e toda a sua tripulação para dentro dela, é Circe, que é representada como uma Mulher Preta com características Africanas sobre os vasos Gregos.

No momento em que você tem Jasão com o tosão de ouro é uma Mulher Preta, Medea.
A mulher que se casou com Pôncio, o herói Grego era uma Mulher Negra, Andrômeda.

Se você os ver representados em Hollywood são todos brancos.
Mas se você voltar para os Vasos originais, A arte original dos Gregos, você descobre que as únicas Mulheres que eles conseguiram encontrar para representar os melhores atributos do mundo Feminino foram Mulheres Pretas, Mulheres Negras Reais, elas eram literalmente Mulheres Negras Vivendo na Etiópia que foram feitas em Lendárias Deusas na Grécia.

Esta primeira invasão da África pela Europa não foi uma invasão, como as invasões que ocorreram mais tarde, pois os Europeus estavam impressionados pelos avanços do Africano, tão assustados que Alexandre decidiu construir a sua capital na África, em vez de voltar para a Europa. E Todos os grandes Gregos, Cada grande pensador Grego, Tales de Mileto, Demócrito, Pitágoras, Anaximandro, Anaxímenes, Heráclito, todos eles vieram para baixo, Platão, Todos eles vieram para o Egito, e os que não vieram clamaram que haviam vindo, porque era tão muito prestigiado.

E eles, portanto, viam as Mulheres de forma diferente.

Nesta nova edição de “Mulheres Negras na Antiguidade” [“Black Women In Antiquity”] há uma mulher notável chamada Hipátia. Por um longo tempo nós ensinamos que ela foi uma Mulher Grega, até que Beatrice Lumpkin, realizando estudos sobre Direitos das mulheres na Grécia antiga, constatou que as mulheres Negras possuíam poder e liberdade que às mulheres Brancas não eram permitidas; As mulheres Gregas não poderiam ter um departamento na Universidade, mas no Egito podiam; Ela não podia exercer uma pesquisa científica sem um companheiro ou alguém responsável por ela, o que era possível no Egito. Então, quando eles descobriram, quando ela estudou Hipátia, as liberdades que Hipátia tinha, e o tipo de trabalho que ela estava realizando, foi fácil chegar à conclusão, a nenhuma mulher Grega na época era permitida essas oportunidades.

E, naquele mundo Alexandrino, onde você tem uma posterior mistura do Grego e do Africano você encontrará Mulheres Africanas tendo algumas vantagens que as mulheres Gregas não foram ter por um longo tempo por vir.

Agora, Isis, a grande Deusa, afetou, como eu digo, a Europa, tão profundamente como ela afetou a África.

Todas as grandes potências Européias construíram santuários para a Deusa Preta Isis.

Mesmo o lunático Romano, Calígula, construiu um santuário para Isis; nas Ilhas Britânicas encontramos santuários de Isis. Esse foi o início da Madona Negra.

Você vai para a Espanha, e não apenas Preta, mas com as características Africóides, algumas delas, mais tarde, tornaram-se Negras de Pele mas com traços Europeus porque, como algumas delas eram destruídas ou perdidas ou quebradas, eles iriam construí-las de novo e manter a negritude do tempo antigo mas lhes dariam características de tipo Europeu.
Às vezes, a criança seria Africana, mas a mulher teria rosto Europeu, mas a pele negra. E, então, mais tarde, quando isto caiu no curso do movimento contra o Africano e a redução do Africano tornou-se algo significativo na vida da Europa, então eles estavam tentando explicar que a razão pela qual elas [as imagens] pareciam Pretas “é porque haviam acumulado poeira ao longo dos tempos.” Ou que a razão por que pareciam Pretas “é que haviam caído no fogo”; ou que a razão por que pareciam pretas “é porque eles usaram o barro errado”. Qualquer coisa para explicar nesse sentido.

Mas quando você vai para as raízes da religião, quando Jesus morreu, ele não foi considerado importante, exceto por seus seguidores, os Europeus não tiveram qualquer respeito por Jesus Cristo. Não havia Cristianismo na Europa. As únicas pessoas que tinham Cristianismo eram os Africanos.

A palavra Cristo é uma palavra Africana KRST.

Quando os Gregos, mais tarde, tomaram aquilo, e os Romanos, chamaram Christos.

Ele aparece pela primeira vez no KRST Africano.

O conceito de Cristo, a Oitava Forma, os Sete Estágios ou Formas do homem que então se tornam a Forma Divina Suprema, o Cristo.

Daí você tem o Cristianismo antes de Cristo.

A idéia, os conceitos, mesmo a palavra, mesmo as imagens,
o Nascimento Virginal, os Reis Magos, estas são idéias Egípcias.

Aqueles eram as Três grandes estrelas no Firmamento, os Três Reis.
Que, então, tornaram-se os três poderes, a fim de virem adorar a Forma Divina.

Está tudo lá; está sobre os Templos de Luxor antes do nascimento de Jesus.

E então, quando Jesus veio, tornando o mito real como somente os Deuses podem fazer; quando Jesus veio e morreu, a espada que foi empurrada contra ele era uma espada Européia; os Romanos o cortaram em pedaços, pois o Sumo Sacerdote Judeu o queria.

Porque Jesus Contestava, como todos os rebeldes fazem, como todos os Homens de Verdade Fazem, Contestava a ordem do dia, e ele teve que ser sacrificado por isso.

Era Isis e seu filho pequeno Horus, mamando em seu peito, que foi adorada pelo mundo como Maria e seu filho Jesus.

E quando vemos, pela primeira vez Jesus, em uma moeda, no século II d.C., há um rosto Europeu Romano de um lado, e então, no outro lado está um homem de pele escura, cabelo lanoso [wooly hair] e um nariz semita, tipo Afro-semita, que está representando, pela primeira vez fisicamente, Jesus o Cristo.

E tudo isso tem sido deixado de lado, mas está lá, está lá como se você voltar você encontra estas figuras, você encontra o profundo impacto da Mulher Negra no mundo.

E algumas Mulheres extraordinárias apareceram no mundo, Makeda, a Rainha de Sabá, este não é um mito, encontramos histórias sobre ela no Kebra Negast. Ele foi traduzido agora e nós podemos ver o que realmente aconteceu.

Como ela foi representada em algumas das Crônicas dos Judeus, aparece apenas como esta Mulher era uma Mulher Negra de Majestosa Beleza e Ela veio para a corte de Salomão e Salomão ficou muito obcecado com ela e construiu este fantástico palácio e, em seguida, deu-lhe um filho e ela foi para a Etiópia.

Não foi tão simples assim. Aquilo não foi limitado à preocupações românticas. A razão pela qual Salomão estava prestando um enorme respeito à Rainha de Sabá é porque a Rainha de Sabá tinha um império maior do que o de Salomão.

Um de seus comerciantes, Tamrin, um nômade, tinha mais de 300.000 camelos e mais de 5.000 ovelhas, um comerciante. Ela controlava uma parte da Etiópia, uma parte o Egito, uma parte da Pérsia, Vastos domínios, e ela estava envolvida em um comércio muito importante, laços comerciais muito importantes foram estabelecidos por Ela.

Por isso, ela foi até Salomão como igual; Salomão construiu um palácio ou um lugar para quarto dentro de seu palácio, onde as paredes eram feitas de cristais finos do chão até o teto, e a tratou com um enorme respeito, porque não era apenas romântico, envolvia as ligações e conexões comerciais. Quando ela voltou para a Etiópia, ela deu à luz um filho de Salomão, Menelik o Primeiro. Esta é a linhagem mais longa do mundo. A propósito, não existe uma linhagem na história do monoteísmo no mundo que seja tão longa como a Etíope. Ela data do romance entre a Rainha de Sabá e Salomão e vai todo o caminho até a Haile Selassie com apenas uma quebra de cerca de 300 anos.

Encontramos, no entanto, que os Etíopes que se moveram em direção ao Egito, mesmo embora as mulheres fossem mais importantes ou alguns aspectos das mulheres fossem mais importantes do que os homens, quando esse movimento subiu para o Egito, você encontra o Sacerdote masculino tentando confiscar poder das Mulheres. Então, eles construíram o seu conceito do soberano, o Faraó, como algo que só poderia ser um macho, porque havia certas coisas que eles associaram simbolicamente com o Faraó.

Então, mesmo embora as mulheres terem se tornado os poderes por trás do trono, somente quando eles chegavam ao fim de uma dinastia que eles permitiam as mulheres a reinar.

E então vieram Mulheres extraordinárias que reinaram absolutamente.

Hatshepsut foi uma das tais mulheres.

Ela se recusou a aceitar que o herdeiro, o herdeiro do sexo masculino devesse reinar,
ela disse: Não, não, não.
E eles disseram: Mas você não é homem, você não pode ser o verdadeiro Faraó;
e ela disse: Sim, Eu Sou, e enfiou uma barba no queixo;

E ela disse: Eu te desafio: Não me chame Ela, me chamar Ele;
Eu estou no comando.
E ela disse: ‘Eu vim como Horus, lançando fogo entre os meus inimigos. E todo mundo tinha medo dela.

Por meio século, absolutamente ninguém, homem ou mulher, exerceu tão incrível poder.

E uma coisa sobre ela e é muito importante de saber é, porque ele parece correr através da história de grandes mulheres, é que elas não eram apenas famintas de poder, ela tinha que servir seu poder, e ela tinha que trazer a mistura e casamento entre masculino e feminino, o que tornou a ser aceito como atributos masculinos e femininos, a fim de somar os poderes Faraônicas completos. Mas ela não estava tão preocupada, como os machos geralmente estão sendo primeiramente os caçadores e coletores enquanto as mulheres protegiam e construíam a casa, que a coisa estranha que notamos com esta mulher e que é muito estranho é que ela se envolveu em guerras expansionistas.

Sempre que uma Mulher está combatendo ela está lutando uma batalha ou uma revolução contra um invasor.

Nós encontramos isto uma vez após a outra e há apenas uma única exceção que eu encontrei, e esta é a Rainha Judah, uma Judia Falasha, uma Rainha Preta que estava muito irritada com os Cristãos, algo tinha sido feito para ela em sua infância, e sempre temos exceções, pequenos casos por causa de caprichos pessoais.

Ela queria matar todos os Cristãos, e ela roubou as suas terras.
Esta é uma exceção. Em outros casos que eu sei, e, em especial, no caso de Hatshepsut, e uma após as outras Rainhas que eu mencionarei, elas se envolveram em guerra necessária.
Nunca em guerra expansionista. Elas construíam.

Elas construíram os mais notáveis Templos. Quando você vai e vê o Templo de Hatshepsut é inacreditável. O único outro homem, o único outro Faraó que construiu Estátuas e Templos incríveis como ela eu acho que foi Ramsés, o Grande. Seus templos foram extraordinários.

E ela não apenas construiu, ela comercializou. Encontramo-la com grandes navios, alguns dos navios mais notáveis dos tempos antigos, indo até a Somália, trazendo coisas do coração da África de volta ao mundo Egípcio.

E você descobre que há outras Rainhas que não se afirmaram com tal autoridade agressiva, mas ainda assim tiveram fantástico poder.

A Rainha Tiye ou Rainha Tiy é uma de tais Mulheres. Esta é a que eu mais admiro, porque apesar de seu incrível poder, que também durou meio século, ela cristaliza em si o poder fantástico de uma grande Rainha, ela cristaliza dentro de si, não apenas aquela autoridade, mas também as melhores coisas que vemos nas mulheres.

QUeen Tyee Amenhotep III

Quando ela tinha 13 anos de idade, ainda criança, ela se casou com o Faraó de 53 anos, ela lhe deu à luz sete filhos. Quase todos os seus filhos são Imortais. Akhenaton foi seu filho deste casamento; Tutancâmon foi seu filho deste casamento; Smenkhkare foi seu filho deste casamento. Ela lhe deu quatro filhos; três deles são de tremenda importância. E Ele a amava.

Seu Faraó a amava à distração tão grande que ele se recusa a ouvir o sacerdote que insistia que, quando ele a chamasse, ela devia se ajoelhar e ele devia mostrar sua incrível autoridade divina sobre ela, a mulher.
Ele disse: Não, não senhor. Esta é a minha Mulher, Eu a Amo Profundamente, Ela é igual a mim. E ele insistiu que em todas as maiores estátuas construídas ela deveria sentar-se ao lado dele como um igual.

Ele cortou um Lago, uma milha de comprimento; ainda podemos ver o Lago Tiye ou Lake Tiy. Um Lago ornamentado de uma milha de comprimento. Ele construiu Templos para Ela e escreveu poemas que imortalizaram sua beleza e seu amor.

E Ela, como ele envelheceu e começou a se retirar com a idade, Ela tornou-se como se fosse o verdadeiro Faraó. Quando os Reis da Ásia queriam falar com o Egito eles foram para Ela, não para Ele.

E então veio Akhenaton, seu grande filho. Akhenaton foi o homem que nós associamos com a reforma religiosa. Akhenaton insistiu que havia apenas um Deus, o que os Africanos já aceitavam antes, mas ele foi mais longe, ele foi de fato Moisés. Ele foi além, Ele disse: Não somente este é o único Deus, eu não quero ver nenhuma outra forma, mas só uma forma de Deus. Então eu não quero ouvir mais sobre seus Ídolos e suas Estátuas e suas semi-Divindades, eu só quero uma forma do Deus, Atom. Ele insistiu naquilo levando enorme número de pessoas no Egito a insistir que deveria haver só uma forma do Deus. E, de fato, ele muda seu nome de Amon, que é a grande Divindade Africana, para Atom, daí Akhenaton.
Mesmo Tut, seu filho, teve que ser chamado Tutankhaton, que mais tarde viria a mudar para Tutankhamon. Porque ele se perdeu no final, e apesar de seu grande poder mas, a única coisa, porque ele estava indo através desta reforma religiosa que dividiu o país e o enfraqueceu, Ele enfraqueceu as defesas do país, e foi a Rainha Tiye , que se assegurou que essas defesas fossem mantidas firmes.

E, em seguida, com o passar do fracasso da revolução de Akhenaton, Tut, começou a reinar. Tut era um garotinho. Ele foi assassinado pelo primeiro-ministro, e mais uma vez, no vácuo criado por sua imaturidade, a Rainha Tiye tornou-se o poder.

De modo que, em todo esse tempo, todos os males e todos os momentos de fraqueza e desafio, Tiye se tornou a força. E Ela não foi apenas a força em termos de sua grande autoridade sobre o Egito; ela era uma Mulher de grande Beleza. Diz-se neste poema deixado por seu marido:

A Princesa, a mais Louvada, a Senhora da Graça.
Doce em seu amor, Quem enche o meu palácio com Sua Beleza.
A região ao Norte e ao sul. A Grande Esposa do Rei que a Ama.
A senhora de ambos os países. Tiye.

Ela era uma Núbia, e ela restabeleceu o princípio Africano de que as Princesas deviam ter a precedência sobre os Príncipes.

E sua Beleza era tal, e sua autoridade foi tal, e sua Nobreza era tal, que tudo o que ela fez, tudo o que ela usava, tudo o que ela era, foi imitado por outras mulheres. Sua sombra de olhos, seus brincos, suas jóias, seus colares, tudo, suas perucas, tudo isso foi imitado pelas mulheres da corte e as mulheres comuns.

E como eu digo mais uma vez, como no caso de Hatshepsut, em vez de fazer a guerra, ela construiu coisas, ela preencheu o vácuo deixado pela imaturidade de Tut; A idade de Amenhotep III, com quem ela havia se casado em uma idade precoce; E a obsessão religiosa de Akhenaton; Ela deu força onde estes homens, devido a várias razões, eram fracos.

Agora a Beleza, para além da questão de poder, e antes de eu lidar com a questão do poder, deixe-me falar uma coisa.

Na Etiópia, o princípio Africano foi mantido intacto,
como ao moldar-se para o Egito houve ligeiras modificações.

Uma coisa que foi mantida é que o poder Só poderia ser transmitido através de uma Mulher. Isto foi mantido através da coisa Egípcia, o que é muito diferente da Europa.

Muitas das pessoas que estavam reivindicando que os Egípcios eram Europeus. Saibam disso, Isto não era assim na Europa. Isto era algo que corria pela África. Poder só pode vir através de uma mulher. E, por isso, mesmo apesar de todas as lutas para equilibrarem-se com o poder das Mulheres, isto sempre foi entendido, diretamente através, que o herdeiro é determinado pela Mãe. Propriedade, Sucessão, Poder é determinado pela Mãe.

Mas as Candaces [Rainhas] agora, na Etiópia, quando o grande império da Etiópia entrou em colapso, quando os muitos invasores entraram, e muitos Etíopes, mais uma vez tornaram-se apoderados, saiba disso, que os irmãos, sempre que os homens confiscaram o poder, eles iriam segurar agora o poder político, mas o poder espiritual estaria nas mãos das Mulheres. Agora, não descarte isso, porque a igreja não era um grande independente do estado como se tornou hoje na maioria dos lugares. A igreja era igualmente poderosa com o Estado e, em alguns casos mais poderosa. E as Candaces eram Mulheres que se tornaram Potências em seu próprio Direito, Elas eram mulheres extraordinariamente poderosas, eles formavam quase uma espécie de Clã Matriarcal. E mesmo quando eles não estavam, como eu digo, quando os irmãos estavam como chefes de Estado, Elas eram as chefes das capitais espirituais, administrando igualmente
Alto-Sacerdotisas de Amon com os Reis da Etiópia.

Agora Beleza era algo. Imagens de Beleza naquela época eram Pretas.
Durante muito tempo, na verdade, a Mulher Preta foi considerada por ser a Mulher Mais Bonita, e não apenas na África, mas na Europa.

Deixe-me lidar com isso. Muitas coisas foram descobertas por Mulheres Pretas na ornamentação do rosto e do corpo, por exemplo, foram Mulheres Pretas quem primeiro descobriram batons, batons naquela época eram confinados a concubinas. Elas foram as primeiras pessoas a usar a sombra de olho antimônio que correu por através de todo o mundo. Elas foram as primeiras a desenvolver uma vasta gama de perfumes, óleos e pomadas para o cabelo e pele e etc. Elas estavam muito envolvidas em se vestirem.

E uma das coisas que aconteceram em parte por acidente de que se fez uma grande utilização foi que eles descobriram a punção da pele para as marcações de embelezamento [escarificações]. Eles chegaram à vacina, muito antes de Europa. A vacina, na verdade, foi usada em epidemias, porque ou os Africanos descobriram que você pode tomar um germe, certos germes, bactérias germes, e colocar uma pequena quantidade no corpo, e o corpo iria desenvolver uma imunidade ao longo de um período de tempo, assim, quando ela viesse em uma força maior, o corpo já teria uma imunidade contra ela. Eles, portanto, descobriram a vacina parcialmente através de marcações de embelezamento [beautification marks] e também marcações de identificação.

Na Europa, a Mulher Preta era considerada tão Bonita que somente Brancos ricos e poderosos podiam ‘ter’ Mulheres Pretas. Como conseqüência, todos os reis Franceses tinham amantes Pretas, independentemente de com quem eles se casassem, eles tinham que ter uma amante Preta. Isto é também a verdade das famílias mais poderosas da Itália e em Portugal.

Na Itália, os Médici, todos eles tinham as Mulheres Pretas, os Gonzaga tinham Mulheres Pretas. Os Médici na verdade, um deles Cardinal De Médici, ele era um dos homens mais poderosos e mais ricos da Itália, ele tinha uma amante Preta, ela lhe deu à luz um filho, e quando ele se tornou o Papa, o Papa Clemente VIII, ele tomou o seu filho Preto e o fez Duque de Florença. A mesma coisa aconteceu com os reis Portugueses. Três dos reis Portugueses tinham muito fortes características Africanas como resultado dessa miscigenação. Como algumas das crianças Pretas nasceram fora do casamento e foram tomadas em silêncio na corte.

Temos o caso mais surpreendente na França. Todos os reis franceses tinham amantes Pretas, particularmente os Luíses. E Louis XIV tinha uma amante Preta, que foi conhecida tremendamente como sua Rainha. Porque estava tudo muito bem para ele ter uma amante Preta, mas ele negligenciou totalmente a sua Rainha. Sua rainha decidiu se vingar dele e teve um caso com um homem Preto, esta foi a Rainha Marie Theresa. E uma criança Preta nasceu na corte Francesa. E o Rei estava atônito e virou aflito para os seus médicos e disse: ‘Como eu poderia dar à luz a uma criança Preta? E os médicos olharam-no bastante, vieram e disseram: ‘Sua Majestade, é bem possível que, quando sua esposa estava grávida, aquele homem Preto na corte, Nabo, Olhou para Ela,  e a criança ficou Preta.’

E o Rei disse:   ‘deve ter sido um olhar Muito penetrante…’

Nabo desapareceu, não sabemos o que aconteceu com ele, mas um tal escândalo ocorreu que eles tiveram que levar a filha Preta do rei e da rainha da França e colocá-la em um mosteiro. Ela se tornou bastante famosa, ela ficou conhecida como a ‘Freira Preta de Moret’ [‘The Black Nun of Moret’]. E o Duque de Chartres sentiu-se apaixonado por ela, ele escreveu uma Ode a Ela, na qual ele fala da textura do seu cabelo, bem como da natureza de seus modos e etc. como sendo diferentes dos de outras mulheres que ele conhecia. E [Goujon?] Também tinha uma amante Preta.

E Napoleão também brincou com a idéia porque Napoleão disse que, a fim de resolver esta questão racial, um homem deveria ter três esposas, uma Preta, uma Branca e uma no Meio. Assim, ele estava decidido e uma vez que ele não poderia ter três esposas ele pegou uma que era meio Preta e Branca. Ele foi para o oeste; ele tomou uma mulher do oeste, Josephine, e fez dela sua Rainha.

Agora tudo Isto são esquisitices e excentricidades no Europeu. E esta coisa curiosa sobre ele é a contradição, que eles viam as Mulheres Pretas como um símbolo sexual da forma como as mulheres brancas foram finalmente convertidas em símbolo sexual aqui na América, e a mulher Preta era considerada A Mulher Bonita.
E o estranho sobre isso é que ela também era considerada o comando [the seat?]
Ela também era considerada a Deusa da Castidade. Assim, uma contradição muito estranha começou a aparecer na mente Européia. Agora, o curioso é que, fora da história que temos estado a olhar, todo o tipo de ficções emergem, por exemplo, uma das coisas que se incomodam com isso por um longo tempo, é a poligamia Africana.
‘Se é verdade que a mulher é igual como é que pode um homem ter várias mulheres?’

Agora, a poligamia é a uma das coisas mais gravemente mal compreendidas. Nem todo Africano poderia ser polígamo; você tem que ser muito rico e muito próspero para ser polígamo. No caso de Reis, a poligamia era permitida tanto nos mundos Europeu, Asiático, Americano e Africano, porque era necessário para um Rei ter várias mulheres. Ele tinha que ter várias esposas ou seu reino iria quebrar.

A razão para isso era que, se havia doze tribos ou doze povos em seu reino não se podia escolher uma de uma tribo porque iria insultar os outros; Assim que você tinha que ter em seu harém uma mulher de cada um representando cada um. Mas uma das coisas que as pessoas mal-interpretam, é que eles acham que a poligamia surge de algum tipo de luxúria. Instituições polígamas no seu melhor, não era um homem que tem muitas mulheres para satisfazer o seu desejo; o problema era que ele tinha que ter algum tipo de instituição para proteger as mulheres solteiras. Nem todo mundo no harém, portanto, era casado pelo homem. A Mãe de um homem poderia estar em seu harém. A Irmã de um homem poderia estar em seu harém. Aquelas não são suas Mulheres em um sentido sexual, mas elas são parte da família que ele deve manter. E para se casar com uma Mulher não era uma questão simples. Não é apenas alguém estalar os dedos e se casar; Alguém tem que manter essa mulher e seus filhos. Os Africanos sempre foram muito sérios sobre isso.

Eu passei um ano em África, estudando Direito, a Lei Swahili. Eu escrevi o Dicionário Swahili, o primeiro Dicionário Swahili de Direito. E eu tive que ir pelos tribunais e cortes em África e quando eu estava saindo da Europa meus professores me disseram: “Você vê, os Africanos realmente não respeitam as mulheres, porque na lei muçulmana tudo que você tem a dizer é:

– ‘Eu me divorcio de você, Eu me divorcio de você, Eu me divorcio de você’ – e está tudo acabado.

Quando eu entrei na África, descobri que aquilo não era verdade.

A única mulher a quem você pode dizer aquilo é à virgem.
Se você se casou com uma mulher, Por Detrás do Véu, e você levantou o véu naquela noite, e você estava muito desagradavelmente surpreendido com o que você viu, você poderia dizer a ela ‘Eu me divorcio de você, Eu me divorcio de você, Eu me divorcio de você “, e ir embora; Mas, uma vez que você Entrou nela, você estava em sérios apuros, a lei teria que seguir você através. E caso ela ficasse grávida, se o fizesse, você teria que apoiar essa criança. Não havia nenhum  despropósito [non-sense] sobre isso. Esta era Lei pesada [hard law]. Onde quer que eu fui, esta era a dura Lei. [hard Law].

E, de fato, a um beijo, um beijo que viesse antes e pela primeira vez na minha vida eu deixei cair o Inglês por meia hora, isso nunca aconteceu novamente. Aprendi várias línguas, mas eu nunca havia abandonado o Inglês na minha cabeça, eu faria rápidas traduções computadorizadas. Mas desde que eu estava sentado no tribunal e era tratado como um magistrado, porque por mais que eu tentava convencer as pessoas que eu estava trabalhando na África, que eu não era um magistrado, que eu não estava inspecionando os livros;

Na Inglaterra, eu tenho a palavra “Kutiagúa” [ * nota minha, KUTIÁGÚA – estou traduzindo como ele fala – não entendi esta palavra – Kutiagúa] misturado com outra palavra.

E “Kutiagúa” não é “inspecionar” como um inspetor, mas isso também significa que você está examinando e verificando este povo. Assim, a cada vez que eu dizia: “Eu vim aqui, Kutiagúa, para inspecionar os livros”, o magistrado começava a tremer, porque ele achava que eu fora enviado pelo governo central, ou governo próximo para tirá-lo. Então, às vezes, eu encontrava todos os negócios na corte/tribunal sendo interrompidos só porque este estranho inspetor curioso (eu) tinha chegado.

Agora, quando eu realmente comecei a inspecionar aqueles casos eu comecei a descobrir que 99% dos casos de divórcio eram trazidos por mulheres. E as mulheres tinham o direito de exigir coisas dos homens, se eles não estivessem apoiando seus filhos e exigir as coisas deles, se eles desaparecem. Eles podiam até mesmo tomar sua propriedade se eles de repente resolvessem desaparecer, a fim de abrir mão de sua responsabilidade.

E naquela instituição polígama não era o caso do homem estar como o ‘grande senhor’, aqueles eram os homens extremamente prósperos que tinham de dar terra para cada mulher com quem se casassem. Tinham de construir grandes fazendas para ter alguma enorme empresa agricultora, talvez, em seguida, você tenha situações como essa. Os homens comuns não poderiam fazer tal coisa. É, portanto, importante para compreendê-lo em uma determinada perspectiva.

A independência das mulheres, de fato, sob a poligamia, as fez adquirirem poderes maiores do que aqueles na Europa. Assim que, enquanto as mulheres na Europa emergiram como um tipo de servo para os homens, e foram somente muito recentemente, por causa de estranhas novas mudanças econômicas, várias mudanças econômicas na economia ocidental, as mulheres se tornaram tão poderosos quanto os homens. Tão poderoso e tão repentino é este poder no mundo europeu que muitos homens se retiraram para a homossexualidade, eles não estão acostumados a encontrar igualdade nas mulheres.

Mas, no mundo Africano você não encontra a mesma coisa acontecendo porque quando as mulheres entraram na economia de mercado que você encontra muitas mulheres do Oeste Africano tendo independência. Mesmo antes do tráfico de escravos aquelas Mulheres do Oeste Africano adquiriram independência econômica que lhes dava certo poder e igualdade e se os homens com quem se casaram não as respeitassem de alguma certa maneira elas tinham várias formas de lidar com essa falta de respeito.

Agora chegamos ao que aconteceu com aquela Mulher como ela veio para o Tráfico de escravos. O que aconteceu com o homem Preto foi extremamente infeliz em relação ao sexo feminino, porque mesmo embora a mulher Preta sofreu tremendamente assim como os homens, os homens Brancos podiam dormir com a Mulher Preta e afastar o homem Preto ou ele poderia enviar o homem Preto correndo por toda a plantação forçando-o a entrar em êxodos plurais, para que ele pudesse assumir, em certa medida que ele estava caindo em poligamia, Mas isto não era poligamia. Porque a poligamia na África tinha que surgir da prosperidade e estabilidade, mas a poligamia e relações aqui surgem a partir do oposto, insegurança econômica e instabilidade. Os êxodos plurais com as mulheres, portanto, surgiram de uma incapacidade de se manter um chão para ter relações estáveis e firmes com mulheres.

E então o que tornou as coisas ainda piores é que as mulheres, por causa do fato de que elas estavam constantemente sendo abandonadas através do sistema escravista, seus homens sendo vendidos embora de repente e etc. seu poder poderia ser quebrado pelo homem Branco, elas desenvolveriam menos respeito ou se imporiam aquela situação em que elas tinham de organizar a si próprias, eles teriam de proteger o ser familiar por si mesmas.

Assim, a visão de alienação desenvolveu-se, o que não tem nada a ver com a situação Africana. E tão poderosa emulação para o homem se tornou as mulheres que, no sul, quando eles fizeram um censo  descobriram que 90% das propriedades no sul eram governadas por Mulheres Pretas. 90% do imóveis das propriedade de Brancos eram detidas por homens Brancos, ou seja, apenas 10% das mulheres Brancas detinham propriedade, enquanto que, em grande parte,
90% das mulheres Pretas detinham a propriedades de imóveis de pertencentes aos Pretos.

Então, se você tem uma mudança ocorrendo. E você tem que entender, portanto, o que foi continuado e o que foi descontinuado, que resultou do choque; as várias coisas que aconteceram que era resultado do choque do tráfico de escravos.

Temos que entender que a grande crise que está surgindo na família Preta não é uma coisa fácil. Nós temos sido alimentados com imagens de beleza branca, por exemplo, por um longo tempo.
Muitos de nossos homens passaram a desrespeitar as suas mulheres. Têm vindo a olhar para elas com um olho diferente, uma consciência diferente e muitas das nossas mulheres também passaram a desrespeitar os seus homens, sem saber a situação aterrorizante pela qual aqueles homens passaram de certa forma.

Você tem muitos filmes agora, que tentam mostrar o Preto na perspectiva mais deplorante, “A Cor Púrpura” é um deles. Você lê aquele livro e você encontra que Alice Walker fez um grande ponto, mostrando o enorme, em primeiro lugar, a situação psicológica e social a partir da qual a crueldade daquele o homem começou, e, em seguida, a sua culpa e dor como uma tentativa de redimir-se;
Quando você se senta no filme, você não vê aquele fundo.
E quando chega a hora de ele enviar dinheiro para trazer a irmã de volta da África, aquilo é colocado em uma espécie de [???] de modo que tudo o que é bom ou forte naquele o homem ou tudo o que é redentor é colocado para trás, e só a sua escuridão, sua crueldade, seu mal é colocado no primeiro plano.

Temos que resistir a tais filmes. Porque eles têm apenas enfatizado a alienação fantástica que tem nos dividido como um povo, não somente irmão de irmão, mas o irmão da irmã, nós temos sofrido isto em todo o mundo.

E somente na tentativa de voltar ao passado, tentando entender os tipos de idéias que os nossos antepassados construíram para nós. Que construíram aquele belo equilíbrio entre o homem e a mulher, a complementaridade, de modo que você pode encontrar certos pontos fortes na fraqueza de um, e os pontos fracos na força do outro a fim de tornar possível, como no caso de Ísis e Osíris, que aquela peça que estava perdida em Osiris era aquela que está faltando na mulher, e ainda, Osiris não pôde ser encontrado e levado a se recuperar novamente, a não ser através de sua mulher.

E isto é um símbolo, uma alegoria, de fato, que dá uma idéia de como a inteireza da humanidade e a inteireza particularmente da raça Preta, não pode ser encontrada novamente a não ser através daquela peculiar complementaridade e fusão do Homem Preto e da Mulher Preta.

Muito obrigado.”

Dr. Ivan Van Sertima –

– Black Women in Antiquity –  Mulheres Negras na Antiguidade –

traduzido a partir do vídeo no youtube, unicamente para fins de Informação

Anúncios

Sobre https://estahorareall.wordpress.com/

https://estahorareall.wordpress.com/
Esse post foi publicado em Ivan van Sertima e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para Mulheres Pretas na Antiguidade – Ivan van Sertima – Palestra

  1. Haroldo Cesar Fernandes disse:

    Lindo estudo sobre a antropologia das mulheres pretas no mundo.Reflexivo do princípio ao fim.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s