Símbolo e Simbólica — R. A. Schwaller de Lubicz

 

figura - schwaller lubicz - Capa Simbolo e Simbólica -

 

 

 


 

 

 

figura - schwaller lubicz - Contracapa Simbolo e Simbólica -

 


 

 

 

Introdução do Tradutor

HÁ UMA precaução que pode ser dada aqui para o leitor atraído para o trabalho de R. Schwaller de Lubicz pela primeira vez. Schwaller de Lubicz está usando palavras e formas de pensamento que são peculiares à nossa atual mentalidade racionalizada, mas com a intenção de descrever ou, melhor dizendo, evocar em nós uma mentalidade completamente diferente da nossa, uma que pertencia aos sábios do antigo Egito. E é por esta razão, mais do que qualquer outra, que dificuldades podem surgir para nós na leitura. Em geral, essas duas operações mentais complementares podem ser designadas como o modo analítico (nosso modo habitual presente) e o mais antigo modo analógico, mas essas palavras devem ser tomadas em um sentido mais profundo do que o geralmente atribuído a elas no momento. Os escritos de Schwaller de Lubicz, então, atuam como uma “sinapse” entre essas duas polaridades da inteligência, e descobre-se que uma exposição clara e lógica — seja ela arquitetônica, científica, ou mitológica — emergirá de repente e se expandirá num imenso campo de pensamento interligado de uma qualidade extra-racional, na qual os múltiplos significados simultâneos, embora interiormente sentidos, podem não estar mais disponíveis para nossa mente racional. Essas flutuações inesperadas entre nossos dois modos primários de conhecimento são, inicialmente, desconcertantes, mas, se persistirmos (às vezes sem entender realmente a idéia), podemos obter vislumbres de uma nova relação entre o conhecimento interno e a análise externa sensorial.

Derivado do seu extenso estudo de monumentos Egípcios e escrita hieroglífica, o tema de Schwaller de Lubicz de duas mentes qualitativamente diferentes que habitam a psique humana encontrou um apoio muito convincente na recente pesquisa do cérebro.

Experiências com indivíduos com dano cerebral revelaram uma distinta separação ou lateralização das funções corticais, dando origem a uma área de investigação científica popularmente conhecida como “mentalidade direita e esquerda” [“right and left mindedness”].

O hemisfério esquerdo processa a informação sequencialmente, o hemisfério; o hemisfério direito a processa simultaneamente, acessando várias entradas ao mesmo tempo. O hemisfério esquerdo funciona em séries; o direito em paralelo. O hemisfério esquerdo é algo como um computador digital; o direito como um computador analógico. *
[ * — Carl Sagan, The Dragons of Eden, (New York, Random House) p. 169.]

Esta localização no hemisfério direito dos aspectos altamente intuitivos do pensamento, juntamente com a capacidade de reconhecimento de padrões não-verbais, é consistente com a qualidade de espírito dominante que, segundo Schwaller de Lubicz, pode ter produzido a arquitetura de templo e a escrita hieroglífica dos antigos Egípcios. Através do mito, da imagem e da proporção geométrica, acreditava Schwaller de Lubicz, os Egípcios foram capazes de encapsular na sua escrita e arquitetura as estruturas básicas do universo natural. *

[ * — See R. A. Schwaller de Lubicz, The Temple in Man (Inner Traditions, 1981) and Le Temple de l’Homme (Paris, Dervy Livres, 1977]

A pesquisa do cérebro revela que a habilidade musical também parece estar localizada no hemisfério direito, particularmente o reconhecimento e a recordação do tom, da harmonia, e da melodia. Essas aptidões musicais envolvem o reconhecimento de padrões auditivos de natureza holística e muitas vezes simultânea, muito diferente dos processos analíticos e verbais que estão localizados exclusivamente no hemisfério esquerdo. A separação do visual e verbal do sonar e intuitivo tem profundas implicações na definição da diferença entre o conhecimento esotérico e exotérico.

Robert Ornstein, do Langley Porter Neuropsychiatric Institute, sugeriu que durante a nossa evolução recente a sensibilidade intuitiva e não-verbal do hemisfério direito foi obscurecida pela onda de desenvolvimento ativo no hemisfério analítico esquerdo. Ele alega que esse desequilíbrio na representação e comunicação intracorticais  pode ser considerado uma causa rudimentar para os conflitos, distúrbios, e discrepâncias que atualmente permeiam nossa vida intelectual e social.

Neste breve trabalho, Schwaller de Lubicz examina o simbolismo ou, antes, o método simbólico em geral, não do ponto de vista do uso contemporâneo de símbolos como designações convencionais, abreviaturas, ou como dispositivos literários e metafóricos, mas como o meio de transmitir um conhecimento supra-racional preciso e uma visão intuitiva que, segundo ele, era um aspecto importante da ciência antiga.

A atitude simbólica do conhecimento antigo cultivava o intelecto até o ponto de perceber todos os fenômenos da própria natureza como uma escrita simbólica revelando as forças e as leis que governam os aspectos energéticos e até espirituais de nosso universo.

A ciência moderna, particularmente a física subatômica, como Schwaller de Lubicz aponta, expandiu seu conhecimento da matéria até o ponto em que a Natureza deve ser considerada supra-racional (como estando além dos limites de métodos e fórmulas racionais). Essas novas descobertas e idéias, ele enfatiza, exigem um vocabulário novo e ainda não-fundado, bem como uma abordagem radicalmente diferente sobre educação e o conhecimento em si. Essa visão coloca Schwaller de Lubicz em desacordo com alguns escritores contemporâneos como Fritjof Capra que, em The Tao of Physics [O Tao da Física], afirma que podemos com nossos métodos científicos atuais passar diretamente para uma ciência com dimensões espirituais. Schwaller de Lubicz nega essa possibilidade, enfatizando que a realização de uma ciência sagrada requer uma transformação da mente que alteraria consideravelmente nossa relação com o conhecimento e sua expressão. É aqui que uma compreensão da inteligência hieroglífica dos Antigos pode auxiliar o pensamento contemporâneo em superar o impasse intelectual atualmente incorrido por nossa percepção e metodologias racionais.

Tentemos esclarecer as diferenças nos processos de formação de símbolos pertencentes a cada uma dessas duas mentalidades, pois, sem dúvida, o tema subjacente do livro é uma tentativa de nos conduzir da leitura em nossa maneira arraigada, lógica e seqüencial, em direção à relação imediata e sentido de identidade disponíveis através da imagem hieroglífica. É através do rico e exigente arranjo da escrita hieroglífica antiga que o pensamento analógico é levantado da percepção subjetiva, poética ou pessoal para um preciso, comunicável, conhecimento-atividade universal sobre o qual uma ciência da natureza pode ser fundada.

Vamos ampliar essa comparação. Com nossa forma atual de escrita usamos grupos de símbolos abstratos arbitrariamente formados (nossas letras alfabéticas) que transmitem associações memorizadas de som e visuais. Somos treinados para pensar e nos comunicar através dessas letras alfabéticas — colocadas (novamente, memorizadas)  em certos agrupamentos, ou palavras — reduzindo essas convenções abstratas em imagens objetivas em nossas mentes. Simplificando, isso significa que quando lemos “gato”, imediatamente registramos a imagem formada: fig. schwaller lubicz - introdução - gato . *

[ * — Até mesmo nossas palavras mais abstratas ou filosóficas precisam estar ligadas a palavras formadoras de imagens para transmitir significado.]

Essa redução habitual de uma abstração mental não objetiva para uma imagem delimitada pode ser vista como uma ação inicialmente centrípeta, que posteriormente dispersa percepção e conhecimento em uma classificação de fatos desconectados. Nós utilizamos os números de maneira semelhante, passando de símbolos abstratos para avaliações quantitativas. Mas a escrita hieroglífica funciona na direção oposta ou centrífuga. A imagem, a forma, está ali concretamente diante de nós, e pode assim se expandir, evocando dentro do espectador preparado todo um conjunto de noções intuitivas ou estados de ser abstratos — qualidades, associações e relações que não podem ser descritas ou definidas, mas somente vivenciadas [experienced] . Um sentido centralizador de unificação resulta mais tarde desse movimento expansivo interior da mente. É necessário um método de visualização comparável ao da nossa faculdade auditiva: é preciso aprender a ouvir a imagem simbólica, permitindo-lhe entrar e penetrar na consciência, tal como um tom musical que ressoa diretamente com o ser interior, desimpedido pela mentalidade superficial . Neste momento de identidade interior entre o intelecto e o aspecto do mundo tangível evocado pelo símbolo, temos a oportunidade de viver este conhecimento. *

[ * — Experiências recentes com golfinhos nos dão um exemplo do que poderíamos considerar como uma escrita puramente sonar. Em Dragons of Eden, Carl Sagan relata que “… golfinhos e baleias, que sentem o seu entorno com uma técnica de localização de eco de sonar bastante elaborada, também se comunicam entre si por meio de um rico e elaborado conjunto de cliques cuja interpretação até agora escapou à humanidade. Uma sugestão recente muito inteligente, que não está sendo investigada, é que a comunicação golfinho/ golfinho envolve uma recriação das características de reflexão sonar dos objetos que estão sendo descritos.Neste ponto de vista, um golfinho não “diz” uma única palavra para ‘tubarão’, mas sim transmite um conjunto de cliques correspondentes ao espectro de reflexão de áudio que seria obtido ao irradiar um tubarão com ondas sonoras no modo sonar do golfinho. A forma básica de comunicação golfinho/golfinho nesta visão seria uma espécie de uma onomatopéia auditiva, um desenho de imagens de áudio-frequência — neste caso, caricaturas de um tubarão. Poderíamos bem imaginar a extensão de tal linguagem de idéias concretas a abstratas e através do uso de um tipo de rebus em áudio (audio rebus) — ambos análogos ao desenvolvimento na Mesopotâmia e no Egito das línguas escritas humanas. Também seria possível, então, para os golfinhos criar imagens de áudio extraordinárias a partir de sua imaginação, em vez de sua experiência. “]

“Pelo método simbólico hierático, o objetivo não é mais traduzir as coisas em termos sensoriais, mas colocar-nos no estado “magicamente” idêntico ao objeto simbólico, de modo a ficar pesado com a qualidade do peso, tornar-se vermelho com a qualidade de vermelhidão, queimar com a qualidade do fogo.” *

[ * — R.A. Schwaller de Lubicz, “The Intelligence of the Heart,” lecture given in May, 1956 at the Congres des Symbolistes in Paris. Translated by Nancy Pearson, published in Parabola, vol. 2, issue 3, 1977.]

Estes dois processos mentais invertem então a seqüência de movimentos centrífugos e centrípetos. O modo analítico primeiro reduz abstrações a uma imagem definida, seguida por uma proliferação de fatos desconectados. O modo analógico, por outro lado, primeiro expande-se a partir da imagem em associações de longo alcance, e então se unifica internamente. Lao-Tsé, que também viveu em uma época hieroglífica, expressou essa interação da seguinte forma: “Para se expandir, primeiro se deve contrair, para se contrair, primeiro se deve expandir” [“In order to expand, one must first contract; in order to contract, one must first expand”].

A mente analítica que se projeta externamente, que agarra-se a objetivações fixas e quantificadas com relações dependentes da lógica equacional, também era bem conhecida pelos pensadores antigos, mas parece ter havido um esforço para restringir seu uso. No Tratado sobre Iniciações [Treatise on Initiations] atribuído a Hermes Trismegisto, encontramos um diálogo entre Hermes e o iniciado Asklepios que pergunta:

Asklepios: Não são, portanto, todos os homens igualmente conscientes, Trismegisto?

Hermes: Todos, Asklepios, não têm a verdadeira inteligência.
Eles são enganados quando se deixam atrair pela imagem das coisas, sem buscar a verdadeira razão delas. É assim que o mal é produzido no homem; E que a primeira de todas as criaturas se rebaixa quase ao nível de brutos. *

[ * — Hermes Mercurius Trismegistus, The Virgin of the World (A Virgem do Mundo, de Hermes Mercúrio Trismegisto), traduzido por A. Kingsford e E. Maitland, 1885 (reimpresso por Wizard’s Bookshelf, Minneapolis, 1977) p. 52. A doutrina Hermética, fonte fundamental tanto do misticismo Cristão primitivo como da alquimia medieval, também tem importantes paralelos com a Cabala Hebraica e Grega e com a tradição Védica da Índia.]

Em uma frase, este texto Hermético revela essa inteligência (que a sociedade Ocidental tem exagerado e sobre a qual se tornou dependente) como [sendo] a fonte do mal no mundo — o mal sendo entendido aqui como desordem, desarmonia e obscuridade existentes entre a humanidade, a natureza e Deus.

Obviamente, um treinamento especial é necessário para praticar o Método Simbólico; Além disso, uma intencional reorientação e reeducação da mente é necessária para a humanidade progredir na direção da consciência expandida requerida pela nossa evolução. A necessidade deste crescimento da consciência é presentemente imposta sobre nós pela crise e confusão existentes em todas as esferas da vida — moral, filosófica, ambiental, científica. O primeiro passo para mudar nossa inteligência é especificar exatamente os perigos, limitações e implicações problemáticas de nossos métodos atuais; O segundo, procurar e compreender precisamente as técnicas de pensamento praticadas em épocas anteriores que mostram uma integração mais rica do corpo, mente e espírito. A penetração de Schwaller de Lubicz ao método simbólico Egípcio pode ser de ajuda nesta transformação urgentemente necessária.

Em conclusão, pode ser útil dar um exemplo de uma leitura hieroglífica, extraída de outra obra de Schwaller de Lubicz, na qual ele amplifica os conceitos essenciais apresentados aqui. *

[ * — Sacred Science, the King of Pharaonic Theocracy (New York, Inner Traditions, 1982).]

Deve-se notar primeiro que nem todos os hieróglifos eram representações claras de espécies particulares de animais, plantas, etc. Muitas vezes, uma única imagem seria constituída por uma coleção de partes de várias espécies (a cabeça de um leão com o corpo de uma mulher, por exemplo, ou o corpo de uma codorniz com a cabeça e asas de um pato). Desta forma, a imagem como um todo poderia representar combinações sutis e intercâmbios que ocorrem na atividade energética do jogo da natureza. Mas vamos contentar-nos aqui com a imagem simples do chacal e observar a maneira como a imagem se expande em vários níveis e associações de longo alcance.

Em civilizações como o antigo Egito, aquilo que em nossa atual presunção chamamos de “primitiva adoração de animais” [“primitive animal worship”] não era um culto do próprio animal, mas uma consagração feita à função vital que qualquer animal particularmente encarna. Não era, na realidade, uma adoração; Era uma meditação usada para sustentar e esclarecer uma função essencial da natureza, isto é, um Meter, um deus. Os Egípcios viam o chacal encarnando certas características, funções e processos da Natureza universal. O chacal é um animal que rasga a carne de sua presa em pedaços, os quais ele enterra e não come antes que apodreçam. A partir deste comportamento real observado, ele torna-se um símbolo para um processo físico e metafísico: a digestão. A digestão é um dos vários processos universais que todas as formas nascidas na natureza devem sofrer (outros incluem crescimento, assimilação, coagulação, decomposição, transformação). A sabedoria Egípcia nos ensina que nenhum ser ou forma pode iniciar os processos que levam ao renascimento antes que sua forma ou invólucro corporal tenha se desintegrado. O Neter de cabeça-de-chacal, Anúbis, é sempre retratado levando a alma do falecido para os primeiros estágios dos reinos inferiores do dwat, ou mundo de transformações. Na mumificação, os órgãos do falecido eram removidos, desidratados e colocados em urnas. A urna contendo os intestinos tinha um chacal desenhado sobre ela. O intestino também serve à função de digerir alimentos já quebrados no estômago. O chacal também transforma carne putrificada em alimento que dá vida. “Aquilo que seria venenoso para quase todas as outras criaturas, nele torna-se um elemento da vida através de uma transformação de elementos que estão causando esta decomposição”. *

[ * — Isha Schwaller de Lubicz, HerBak, (New York, Inner Traditions, 1979).]

O chacal é também o símbolo do juízo: ele é chamado de “o Juiz” porque, ao comer, realiza uma discriminação precisa e inata, separando os elementos capazes de transformação e evolução futura dos elementos intransmissíveis dentro de seu ciclo atual.

Digestão é um processo destrutivo: é uma análise, uma quebra de formas materiais em seus elementos constituintes. Nossas mentes analiticamente direcionadas  são “chacal” em função. Nós não apenas analisamos nossa sociedade à medida que esta sofre uma decomposição, mas nossa mentalidade de análise, separadora, é a força que a está destruindo. Estamos desintegrando não só os átomos da matéria, mas as nossas instituições sociais, as próprias características de nossa própria composição psicológica e bem-estar físico, e outras formas, como a religião e os ensinamentos espirituais de muitas culturas. Mas talvez estejamos realizando essa aparente profanação em harmonia com as leis da natureza, segundo as quais a morte do velho dá vida ao novo. O chacal, entretanto, sabe inatamente que a análise destrutiva deve ser presa no momento certo. Ele deve desenterrar os pedaços, ou então esses pedaços de carne — ou essas fases na vida coletiva da humanidade — podem passar para um estado de dissociação ou caos indigesto, não transmutado; Então a possibilidade de um renascimento cíclico em uma continuidade da morte para a nova vida poderia ser perdida. O sábio Egípcio nos dizia que devemos cultuar a função chacal em nós e descobrir a partir dela, através da identificação, o tempo preciso e as leis aplicáveis no delicado processo de transmutação da nossa época.

A pesquisa moderna do cérebro sugere que a separação de funções intelectuais é um resultado de nossa experiência evolutiva, e oferece razões simbólicas possíveis para o uso destas imagens animais curiosas na arte antiga, na mitologia, e nos hieróglifos. Se lançarmos a teoria de Schwaller de Lubicz em termos fisiológicos modernos, poderíamos dizer que essas imagens são, na realidade, uma linguagem analógica que retrata níveis de informação somática derivada de experiências evolutivas que foram inscritas na neurofisiologia e morfologia de nosso cérebro. Isso leva seu estudo do simbolismo antigo a uma sincronia com o recente trabalho do pesquisador cerebral Paul D. MacLean. MacLean propôs que a divisão anatômica triuna do cérebro em rombencéfalo, mesencéfalo e córtex cerebral é paralela a funções distintas que se desenvolveram durante fases sucessivas de nossa evolução: o rombencéfalo (tronco, pons, medula, e cerebelo), que controla as reações automáticas e autonômicas particularmente envolvidos com mecanismos territoriais de sobrevivência e agressão evoluíram durante nossa fase reptiliana. O sistema do mesencéfalo ou sistema límbico, que contém as glândulas endócrinas cranianas que governam o desenvolvimento sexual, o sono, os sonhos, as paixões, o prazer e a dor, as emoções, a ansiedade e a função mental de retenção visual, emergiram durante o período mamífero inicial. O último a desenvolver foi o córtex cerebral, que controla as atividades conscientes do cérebro, a razão, a ação voluntária, a análise, a lógica, o cálculo e a mobilidade voluntária. Cada nova estrutura cerebral cresceu como um invólucro periférico envolvendo o componente cerebral mais antigo. Abaixo do córtex cerebral, as duas formas anteriores ainda continuam funcionando como fizeram em nossos antepassados mais remotos.

“O cérebro humano”, diz MacLean, “equivale a três computadores biológicos interconectados”, cada um com sua própria inteligência especial, sua própria subjetividade, seu próprio senso de tempo e espaço, sua própria memória, motor, e outras funções. Cada cérebro corresponde a uma maior etapa evolutiva separada. Diz-se que os três cérebros são distinguidos neuroanatômica e funcionalmente e contêm distribuições surpreendentemente diferentes dos neuroquímicos dopamina e colinesterase. *

[ * — Carl Sagan, op. cit., p. 55.]

Com essa nova contribuição científica, podemos entender mais facilmente a afirmação de Schwaller de Lubicz de que os símbolos animistas de deidades animais, pássaros, e reptilianas, eram meios para evocar qualidades particulares e “fases de consciência” no contínuo da evolução da consciência humana. Como Carl Sagan propõe * “… a marca registrada de uma civilização bem-sucedida e duradoura pode ser a capacidade de alcançar uma paz duradoura entre os vários componentes do cérebro”.

[ * — Carl Sagan, op. cit., p. 234.]

E como Schwaller de Lubicz indica, o Egito e outras culturas baseadas no método simbólico estavam, de fato, através de símbolos, educando a estrutura neurológica do cérebro para manter uma conexão ativa e consciente não só entre os lobos bilaterais do córtex cerebral, mas também com os impulsos e as informações subliminares recebidas dos antigos e mais profundos centros límbico e reptiliano, para que esses aspectos de nossa natureza pudessem ser integrados na atividade de nossa mente raciocinadora.

Evidências experimentais, portanto, indicam que contidos no nosso cérebro estão funcionando vestígios de nossas mais distantes mentes corpóreas. Como sugere Schwaller de Lubicz, devemos pensar nesses vestígios não apenas como movimentos de animais e aspectos grosseiros e inconscientes de nossa consciência, mas também como uma vasta inteligência instintiva das leis da natureza, que nossa experiência animal e reptiliana deixou em nós. Em vez de reprimir e ignorar a totalidade de nossa evolução, não deveríamos buscar maneiras de incorporar o vasto conteúdo simbólico desses cérebros antigos à nossa inteligência atual?

Assim, o símbolo é uma representação material de qualidades e funções imateriais. É uma objetivação das coisas subjetivas em nós e subliminares na natureza, despertando-nos para uma percepção do mundo que pode nos fazer conscientes de um conhecimento contido em nossa alma.

Há muitos que previram os grandes avanços intelectuais e espirituais para os quais a humanidade está agora impulsionada. Mas no trabalho de Schwaller de Lubicz recebemos uma direção, não para o abandono das faculdades racionais nos êxtases yóguicos, mas para uma integração com uma inteligência superior e inata. Essa direção consiste em “técnicas de pensamento”, tais como as leis de “cruzamento” [“crossing”] e “inversão”, a aplicação dos princípios do “Momento Presente” e da “simultaneidade de opostos”, bem como uma percepção espiritual da Ciências matemáticas. Todas estas exigem uma utilização ainda não formulada de símbolos que podem sintetizar os dois modos complementares de nossa inteligência e assim estimular e eventualmente dar expressão a esse crescimento iminente de consciência.

Robert Lawlor

 


 

 

 

Introdução do Ilustrador

O ensaio de R. A. Schwaller de Lubicz, Símbolo e Simbólica, que surgiu no Cairo em 1951, assentava claramente na filosofia Faraônica — como ele enfatizou em seu prefácio. Por esta razão, foram incluídas nesta nova edição ilustrações autênticas de quadros [tableaus] Faraônicos, não apenas por razões estéticas, mas para permitir que o leitor se imergisse na realidade representada nessas figuras, uma realidade tão viva hoje como era nos tempos antigos.

A contemplação de algumas dessas representações oferece uma visão tanto do mistério Egípcio quanto, estranhamente, de algumas das mais recentes descobertas da ciência moderna.

O leitor moderno ficará bastante espantado ao observar que as estranhas figurações das tumbas reais subterrâneas, que durante séculos permaneceram misteriosas e inexplicáveis, encontram, na medida em que a ciência progrediu, uma explicação expressa nos termos do século XX.

Ainda hoje, no entanto, certos pontos, como os exemplificados no quadro seguinte, permanecem obscuros.

fig. schwaller - as horas de RE - em port.

A inscrição que acompanha esta figuração estranha é realmente desconcertante. Podemos simpatizar prontamente com os estudiosos da Egiptologia que, depois de longos anos de estudo, dominaram os hieróglifos e a gramática — que fazem perfeitamente bom senso quando aplicados a “textos seculares” — apenas para nos depararmos com textos mitológicos no mínimo tão enigmáticos quanto as representações que eles pretendem explicar.

No entanto, é impossível admitir que os Antigos cobriram centenas de metros das paredes e dos tectos dos longos corredores cavados em rocha, culminando na Câmara Funerária do túmulo, com figuras absurdas. Se desconsiderarmos que essas figuras e textos sejam absurdos, então somos confrontados com a possibilidade de que estamos lidando (como os próprios textos indicam) com uma cosmogonia que resume a totalidade dos problemas levantados pelo mistério da criação, uma criação vista como sempre presente e constante. Mas, como observa Alexandre Piankoff, um dos maiores especialistas no estudo desses textos, uma grande parte desta cosmogonia nos escapa:

Como nos missais da Idade Média, os Egípcios se contentavam muitas vezes em indicar por várias palavras ou uma frase um texto sagrado que o iniciado ou o sacerdote precisavam recitar de cor. Mas geralmente somos incapazes de decifrar esses símbolos, que aludem a mitos Egípcios dos quais que temos apenas uma noção fraca. A chave para a maioria das grandes concepções filosóficas do mundo antigo foi perdida, e muitas vezes somos tentados a aplicar a esses escritos o vago termo de misticismo. Agora, não estamos lidando com misticismo, mas sim, como entendido pelos Egípcios do Novo Reino, com a física — física que estranhamente lembra as idéias de Heráclito de Éfeso. Na verdade, ao comparar as paredes direita e esquerda da Câmara Funerária (de Ramsés VI), este versículo de Lucrécio * veio à mente: “O sol, depois de sua passagem debaixo da terra, no momento de seu retorno ao horizonte, lança seus raios com os quais se esforça para enflamar o céu. Ou, novamente, à hora fixa, os fogos são reunidos, confluindo regularmente de numerosos átomos de calor que cada dia produzem um novo sol, dotado de nova luz. Assim, diz-se que dos altos cumes de Ida [Monte Ida] se percebe, no nascimento do dia, os fogos espalhados que então se fundem em uma espécie de globo singular e formam um disco perfeito.” **

[ * — Lucretius, On Nature 5.]

[ ** — A. Piankoff, La Creation du Disque solaire, (Cairo: Institute Francaise d’Archeoiogie Orientale 1953) p. 1.]

De modo semelhante, usando determinadas chaves que de Lubicz disponibiliza, o espectador moderno pode começar a transcrever as imagens estranhas das figurações antigas nas fórmulas abstratas das várias leis e propriedades da matéria e do movimento que a ciência moderna nos dá. Assim, por exemplo, podemos interpretar o papel predominante atribuído na mitologia Egípcia a entidades negativas e resistentes como Seth (o antagonista escuro de Horus), a serpente Apophis, etc, como correlações específicas com qualidades físicas, como resistência, inércia, e entropia. Outro especialista, intrigado com essas entidades negativas, escreve:

Por que a revolta foi concebida como um elemento da criação, ao passo que teria sido bastante simples omiti-la, e assim assegurar um universo de felicidade eterna? De fato, encontramos aqui uma idéia que aparece freqüentemente no estudo de textos Egípcios: o mito, pelo menos na sua forma mais primitiva, não é uma concepção pura da mente ou do espírito, mas muitas vezes aparece como uma tentativa pré-científica de definir e explicar aspectos do universo e as forças que o dirigem. Agora, desordem, tempestade, inundação excessiva ou insuficiente [do Nilo], desastres terrestres ou cósmicos são visivelmente parte do universo criado. *

[ * — S. Sauneron, “Les Fetes religieuses d’Esna,” Esna V (Cairo, 1962) p. 266.]

Resumindo, aqueles que estudaram profundamente os escritos Faraônicos observam unanimemente que os antigos Egípcios revelam, através de suas histórias, figurações, e máximas, uma forma de pensamento equilibrada e clara ao lidar com a vida concreta. Bastante diferente, no entanto, é a teologia Faraônica, “da qual a lógica está ausente . . . .” Mas mesmo que aceite a natureza do mito antigo como uma tentativa “pré-científica” de explicar o universo, a mente Ocidental permanece desconcertada pela falta de forma racional em sua apresentação. O Egiptologista alemão E. Hornung oferece um insight valioso em relação a essa aparente inconsistência:

De acordo com a lógica ocidental, é uma contradição impensável para o crente ver o divino como o Único quase absoluto e ao mesmo tempo como o Múltiplo; É surpreendente para nós que as duas formas de pensamento, tão fundamentalmente diferentes, não se anulam, mas parecem, ao contrário, como complementares. . . . *

[ * — E. Hornung, Der Ein und die Vielen (Darmstadt, 1973), p. 233-238 (como traduzido do Alemão por Lucie Lamy).]

Além disso, depois de ter observado que toda aplicação de nossa lógica dualista à teologia Faraônica conduz a contradições insolúveis, o mesmo autor chega à seguinte conclusão:

A noção de complementaridade tem desempenhado um papel importante no tema da ampliação da lógica clássica. Neils Bohr introduziu-a na física em 1927 a fim de compreender o comportamento extravagante dos quanta energéticos e explicar a simultaneidade do lugar, da impulsão, da onda, e da partícula, o que é impossível com os cálculos da lógica tradicional. *

[ * — Ibid.]

Paradoxalmente, o empirismo absoluto do método científico moderno atingiu um extremo em que suas fórmulas e métodos matriciais, desenvolvidos para explicar uma cosmovisão estritamente materialista, estão agora fornecendo uma poderosa ferramenta para resolver os enigmas metafísicos representados pela cosmogonia antiga.

Lucie Lamy

fig. schwaller - A Vaca Divina.jpg
———————————————————————————————————————————–

 

 

Prefácio

Os textos tradicionais de iniciação * podem ser lidos e estudados de duas maneiras. Uma delas trata do significado exotérico (histórico), que geralmente serve como fundamento, isto é, como símbolo, para o sentido esotérico (expresso através da simbólica) que esses textos, lendas, e representações não teriam transmitido caso as pessoas os tivessem considerado como absurdos, e não como histórias, formando uma imagem que poderiam entender e eventualmente disseminar.

[ * — Por exemplo, os Vedas e Gita da Índia; o Gênesis, os Profetas e outros textos da Bíblia Hebraica; Os Evangelhos, o Apocalipse e uma boa parte das Epístolas dos Apóstolos; Os Textos das Pirâmides e muitos outros escritos Egípcios; Representações na Índia, Babilônia, Creta, Ásia Menor, e especialmente no antigo Egito.]

O exoterismo é, portanto, uma necessidade, uma vez que o pensamento precisa de apoio.

Mas quando se trata de penetrar o estado de espírito de uma época ou o significado secreto dos textos (um significado que é a base do conhecimento Egípcio, por exemplo), apenas a simbólica pode chegar até lá. A simbólica baseia-se na expressão artística, nos temas das representações, nos princípios arquitetônicos, nas parábolas, nas lendas e em outros escritos. Estes últimos são apresentados em forma cabalística, um dos seus aspectos é dirigido aos não iniciados, e pode, na sua maior parte, ser transcrito.

Assim que a palavra segredo é usada, a pergunta que surge imediatamente é: “Que segredo?”

Há apenas vinte anos atrás seria muito difícil responder, já que ninguém poderia entender que poderia haver avanços na ciência sem que todas as descobertas fossem colocadas à disposição do público. Na verdade, são os “amadores” que há muito contribuem para o progresso, não da ciência, propriamente falando, mas de suas aplicações. Agora, enquanto uma ciência “mecanicista” (e até mesmo a mecânica das moléculas na química) está ao alcance de toda inteligência — a ciência pura, a única ciência sem ambigüidade, uma vez que o pensamento deixa o reino de um racionalismo determinista — não é mais acessível a todos. Nos últimos 30 ou, no máximo, 40 anos, a orientação do pensamento científico foi completamente modificada, em comparação com o que ainda era no século passado.

É lamentável ver quão poucas pessoas estão cientes da atual revolução do pensamento, que, no entanto, influenciará o mundo vindouro — uma revolução velada pelas grandes e imediatas preocupações (incluindo o medo da guerra atômica) que afetam todos os reinos da vida moderna.

O segredo? Mas ele não exige demonstrações, é evidente. Quem é capaz de compreender os temas do princípio da relatividade e suas ramificações? Mesmo entre os grandes matemáticos, poucos são capazes de chegar ao fundo deste estudo. Considere, então, a admissão nobre de Louis de Broglie, quando ele diz que, depois de estudar a constante de Planck por 25 anos, ele ainda não conseguiu “esgotar” todo o significado do quantum de energia e ação. A riqueza de certas “iluminações” do pensamento moderno é tal que só se esgota com dificuldade. Esta evolução brutal, que colocará a ciência nas mãos de uma elite muito restrita, criará uma nova aristocracia no poder após os esforços proletários e o surgimento de uma classe governante “tecnocrática”, as quais estão ambas, no entanto, condenadas ao fracasso.

[ * — Louis de Broglie, La Physique nouvelle des quanta (Paris: Flammarion, 1937) p. 5.]

Vemos o poder político passar cada vez mais às mãos de grupos muito pequenos de doutrinários, e a Rússia é um valioso exemplo do resultado lógico do princípio socialista, que se torna uma ditadura proletária. Mas trata-se apenas de um poder político, ao contrário do qual surgirá necessariamente, curiosamente, o poder científico. Se o primeiro pode influenciar a consciência das pessoas através da força, este último, muito mais trágico, influenciará o destino espiritual, não pela força, mas por convicção. Então as massas não terão mais escolha senão acreditar no que apenas um pequeno grupo de homens entenderá. Acreditar e obedecer: este já é o caso agora, mas, obviamente, logo vai piorar.

Não é este o “templo falso”, a falsa “religião”, que se baseia, não no Espírito, mas na matéria perecível e na ciência de sua destruição?

Ora, ninguém quer esta “religião”, que, no entanto, já existe e se difunde; finalmente, o governo mundial parece a única solução geral. *

[ * — Winston Churchill defendeu a instituição de uma super-governo mundial durante um discurso proferido em Copenhaga em 11 de Outubro de 1950.]

Mas já, por sua vez, os cientistas já não admitem ser controlados pela política: são eles que detêm o “segredo”. *

[ * — Note-se, neste contexto, várias comunicações feitas à imprensa por Albert Einstein.]

Este segredo não está escondido de ninguém, mais do que o ensinamento esotérico do Antigo Egito estava; Bastava desenvolver as faculdades necessárias para compreendê-lo. O exemplo que a ciência atual nos oferece torna-se assim uma imagem para explicar a natureza do Templo de uma ciência esotérica.

Não acreditemos nas lágrimas de crocodilos dos cientistas diante da perspectiva da destruição da humanidade: esses homens sabem que não podem mais parar em suas pesquisas, e que, tendo conseguido a fissão de elementos pesados, eles sonham apenas com a fusão de elementos leves. Eles sabem que devem ir até o fim liberando a Energia que “Deus” aprisionou na matéria.

Essa consideração nos permite prever duas posições: aquela que acredita numa ciência construtiva e libertadora, uma ciência da gênese; E aquela que aceita uma ciência puramente racional e analítica, uma ciência da destruição violenta. O Egito, visto nesta luz, parece ter sido o maior centro dos Mestres da ciência criativa. Isto explica sua extrema importância no presente, e não poderíamos olhar para uma fonte mais explícita ou mais perfeita.

O Egito tem um interesse especial para o pesquisador, uma vez que ainda oferece suas ruínas, textos intactos e monumentos. Os textos das pirâmides da Quinta Dinastia são esculpidos muito claramente na pedra; Nenhuma mão veio e mudou a menor marca.

Assim, estamos lidando aqui com documentos únicos no mundo, os mais antigos que nos foram transmitidos com essa pureza.

Agora, ao longo do século passado, a experiência tem mostrado que, apesar do grande número de documentos trazidos à luz e apesar dos esforços feitos para penetrar o pensamento faraônico, há, na tradução dos textos, muito que não faz sentido; prevalece o completo mistério sobre o significado real das representações, do panteão, e dos mitos, e finalmente sobre o motivo por trás dessa obra colossal de templos, estelas, obeliscos, e colossos que se estendem por 2.000 quilômetros ao longo do Nilo.

Estamos diante de uma caixa forte contendo a maior riqueza concernente à história da humanidade; Não conseguimos abri-la, porque insistimos em usar a chave racionalista, ao invés do que os criadores dessa jóia usavam — o símbolo e a simbólica.

É verdade que o simbolismo deu origem a muitas noções estranhas, justificadas pelo fato de que seu significado é pouco conhecido. *

[ * — Muitas tentativas foram feitas para penetrar o significado do enigma faraônico, interpretando imagens e figuras por meio de simbolismo. Aqui a porta permaneceu aberta a erros devido a julgamentos subjetivos, porque é difícil, neste domínio, permanecer positivo. É evidente que foi feito um esforço para basear cada tentativa numa teoria orientadora, que às vezes assumia o caráter de uma filosofia mais ou menos coerente.
Mais tarde, o racionalismo pensou que poderia rejeitar estas tentativas na sua totalidade, convencido de que, com a descoberta de Champollion de uma leitura lógica, seria fácil ver claramente no modo de pensamento Egípcio. Por conseguinte, este foi traduzido para as nossas línguas modernas, no espírito moderno, e, além disso, pensou-se possível traduzir, apenas com base na gramática, textos reservados para os templos. Isso não revelou nada: nem a verdadeira mentalidade dos Antigos, nem seu verdadeiro conhecimento das forças da Natureza. As mesmas dificuldades foram encontradas aqui como na tradução dos textos Hindus dos Vedas e Upanishads, etc., ou o texto do Tao Te Ching de Lao-tsé na China. Todos esses escritos se baseiam na intenção de deixar ao eventual leitor a escolha da interpretação e de selecionar, por este meio, aqueles moralmente e espiritualmente inclinados a entender o verdadeiro significado. Muitas vezes, esses textos são apresentados em uma espécie de “estilo telégrafo,” não mostrando nenhuma conexão gramatical entre os substantivos — isto é, evitando o guia gramatical do pensamento. Agora, em comparação com os textos Hindus (que, além disso, foram geralmente transcritos várias vezes), O antigo Egito oferece a vantagem do método simbólico da forma de escrita. Sem se preocupar com um sistema alfabético, o buscador pode ser guiado apenas pelo símbolo, desde que leve em conta os princípios essenciais que este livro procura formular. É certamente um grave erro imaginar que se pode rejeitar a simbólica porque se acredita que se tem conhecimento de uma forma de escrita que expressa o pensamento como fazem nossas linguagens alfabéticas, que ignoram a transcrição esotérica do simbolismo cheio de imagens.]

O símbolo é um sinal de que se deve aprender a ler, e a simbólica é uma forma de escrita cujas leis se deve conhecer; Eles não têm nada em comum com a construção gramatical de nossas línguas.

É uma questão aqui, não do que poderia ser chamado de “linguagem hieroglífica”, mas do simbólico, que não é uma forma ordinária de escrita.

O propósito das próximas páginas é descrever brevemente os princípios que governam o símbolo e a simbólica na expressão de uma filosofia vital, não uma filosofia racionalista. Isso talvez nos permita um dia reconhecer que não existe linguagem hieroglífica, mas apenas uma escrita hieroglífica, que usa o símbolo para nos conduzir à simbólica.

————————————————————————————————————————————–

 

Notas sobre o Pensamento Moderno

Pela primeira vez a pesquisa científica (exotérica) alcançou, através do racionalismo, o limiar de uma porta que nos permite vislumbrar a vida íntima da matéria. Assim, é indispensável para que nos tornemos familiarizados com a ciência atual, mesmo que apenas por meio de uma visão geral. Seria, no entanto, um erro deixar-se ficar permanentemente enganado por uma ciência que não pode atravessar a fronteira definida pela obrigação de sempre confiar em um sistema de referências. Mas devemos reconhecer que recentemente se deu um grande passo na “expansão” da consciência humana; Na verdade, é uma questão não só de um enorme avanço científico, mas, acima de tudo, de uma etapa extremamente importante na evolução da consciência. Não é a aquisição de uma base de conhecimento de natureza invariável; É um novo ponto de partida para o progresso do pensamento.

O atual estágio deste progresso, a causa da séria revolução séria sofrida pelo pensamento científico há cerca de três décadas, nos permite distinguir os princípios subjacentes ao significado real do símbolo. Aquilo que, ontem, poderia ser tomado como pura especulação filosófica, é hoje baseado em experimentos científicos, com conseqüências assustadoras que poucas pessoas ainda conhecem, já que a maioria permanece fiel ao determinismo racionalista do século XIX.

O século passado caracterizou-se pela crescente importância da ciência, que se julga capaz de explicar todos os fenômenos da Natureza, com base no pensamento “mecanicista” de que é possível prever o curso de um fenômeno quando as condições de sua manifestação são conhecidas . Este “determinismo” justificava todas as esperanças, mesmo aquela de conseguir conhecer o desenvolvimento da célula viva e, finalmente, o segredo da vida. Esta ciência foi fundada em leis; deduzidas do comportamento da matéria, reconhecendo que esta matéria era composta de partículas atômicas formando elementos químicos específicos e invariáveis, cujas reações essenciais eram conhecidas, graças a todos os grandes químicos do século passado que se baseavam na famosa afirmação de Lavoisier: Nada é criado, nada é destruído.”

A termodinâmica e a eletricidade, estudadas com seriedade, estavam ao serviço da ciência de uma matéria tridimensional (euclidiana), e o que fora aprendido permitia esperar que as incógnitas restantes, bem como as exceções na experimentação de hipóteses aceitas, um dia seriam esclarecidas. O único guia aceitável para a mente científica, tendo se tornado puramente experimental, era uma conclusão lógica derivada da experiência. Toda filosofia e pesquisa sobre o “porquê”, necessariamente levando ao estágio metafísico, foi finalmente considerada como extrapolação fantasiosa.

O “segredo” e o “sagrado” pareciam absurdos, e as tendências anti-religiosas se desenvolveram, já que a ciência humana podia fazer tudo, ou pelo menos esperava algum dia adquirir essa onipotência. Sob a capa do ateísmo, o homem substituiu Deus por si mesmo, uma vez que a sua Causa e o seu Fim não eram senão a sua existência presente.

Se alguém deseja entender o novo estado de espírito, é importante observar a mentalidade dessa ciência mecanicista. Este ponto foi alcançado no final do século, quando Becquerel, ao observar a descarga de um eletroscópio na aproximação de um sal de urânio, deduziu a radioatividade. Roentgen descobriu que a matéria é transparente aos raios catódicos, que ele chamou de raios-x, o desconhecido. Curie, começando com óxido de urânio, isolou um sal extremamente radioativo, que ele chamou de o metal “rádio.” Então veip Sir Oliver Lodge, Sir J. J. Thomson, juntamente com Lord Rutherford, et al. na Inglaterra, em Perrin na França, em Bohr na Dinamarca, Planck na Alemanha, Einstein na Suíça (para citar apenas os nomes universalmente conhecidos) — os iniciadores da ciência da microfísica (estudo do átomo energético) quando a velha concepção simplista do átomo material desapareceu.

Este é o alvorecer de uma nova era. Experimentos mostrarão que as leis físicas da matéria macroscópica não são universais, que o fenômeno não pode mais ser colocado no quadro de uma física determinista e, finalmente, que há um elemento metafísico, a Energia, que entra em jogo no desenvolvimento e desaparecimento da matéria.

Homens proeminentes, físicos e filósofos, têm agora publicado em forma assimilável a informação que emergiu do conhecimento recentemente adquirido sobre esta ciência, * de modo que a ignorância sobre esses novos elementos se torna uma lacuna prejudicial às conclusões de todas as pesquisas, mesmo na arqueologia.

[ * — “Microfísica” significa a ciência física do átomo, tornando-se assim física nuclear. Neste átomo pode ser reconhecido, em princípio, um núcleo que compreende uma massa neutra (nêutron) e o elétron positivo (positron) mantendo em equilíbrio uma série composta de não mais de sete camadas de elétrons negativos (elétricos).
No entanto, não se deve tomar esta informação literalmente e acreditar que as noções atuais sobre o átomo são definitivamente provadas e certas. Tudo o que se sabe é que, doravante, é preciso contar com outras leis além das determinadas no mundo material. E uma vez que é uma questão do átomo do “constituinte da matéria”, há então — além do que nossos sentidos observam — um estado de natureza polidimensional que nos escapa, o qual a inteligência cerebral (objetiva) não pode mais compreender, mas cuja existência é indiscutivelmente certa e só pode ser transcrita matematicamente. Isso não representa uma reviravolta radical das concepções de apenas 30 anos atrás?]

A ciência experimental tem agora de lidar com um mundo novo de natureza abstrata, um mundo cujos elementos não podem mais ser definidos, exceto matematicamente.

Observou-se que as quantidades eletrônicas desaparecem a fim de fazer fótons (luz) de pura energia sem-quantidade [pure quantity-less energy], aparecer. O pensamento deve intervir para descobrir o que está implícito no fenômeno observado; Hoje a filosofia deve orientar a experimentação. Na física, trata-se de uma filosofia matemática, mas a impossibilidade de coordenar elementos abstratos, para os quais não existe conceito definido, requer que a filosofia seja utilizada para buscar a conexão, o fio de Ariadne indispensável neste labirinto do mundo da energia recentemente revelado. Homens como Lecomte du Nouy, Le Roy, e Gaston Bachelard, entre outros, estão impulsionando o novo pensamento. Estranhas reminiscências ressurgem, emergindo da escuridão medieval do tempo em que os Mestres da “Filosofia Natural” ensinavam nas margens do escolasticismo.

Assim, pode-se observar que há no máximo sete camadas eletrônicas em torno do próton atômico, lembrando o sistema planetário séptuplo e suas correspondências metálicas, a escala musical, as cores, etc. Vamos acrescentar a isso as sete constantes fundamentais:  e, carga do elétron; m, massa do elétron; M, massa do próton; h, constante de Planck; c, velocidade da luz;  g, constante gravitacional; figurinha - schwaller - constante cósmica , constante cósmica.

Agora, esta é a “constante” de que Henri Poincare teve um pressentimento e que foi determinada pelo professor Max Planck, que desempenha um papel de liderança, especialmente nas descobertas de Louis de Broglie. A constante de Planck (h) é, em resumo, uma razão invariável entre a Energia (E) de um fóton e a duração (d) de sua vibração, tal que E x d = h, qualquer que seja a onda ou a cor da luz, ou a onda de qualquer outra radiação * Ao designar o inverso da duração, ou seja, a frequência, de figurinha - schwaller - frequencia obtemos  E = figurinha - schwaller - quantum de energia ,  e  figurinha - schwaller - quantum de energia  é o quantum de Energia, ou seja, a menor quantidade de Energia cujos múltiplos constituem o todo. Se E diminui, d aumenta, e vice-versa. Esta “quantidade” de Energia é a base atual de todo raciocínio em microfísica. Esta teoria do Quanta de Energia, ampliada no princípio do quantum de ação, mais tarde trabalhada por Einstein e Bohr, é uma das melhores “iluminações” do espírito científico dos tempos.

[ * — Estas ondas têm comprimentos variando de 50 km a 1 / 100.000.000 milímetros. Além disso estão os raios y.]

Então, fundada nessas bases, está certamente a descoberta de Louis de Broglie *, juntamente com a de Heisenberg, que mais perturba a complacência dos cientistas “mecanicistas”, uma vez que o estudo da luz mostra a existência simultânea de dois estados contraditórios: O caráter granular na continuidade de uma onda; Isto é, o fóton, que se parece com uma quantidade isolada, aparecendo em uma função contínua da onda — o descontínuo dentro do contínuo. É essa simultaneidade — que a inteligência “cerebral” não pode captar, mas cuja existência é demonstrada experimentalmente — que provoca o que o físico Werner Heisenberg chama de “Princípio da Incerteza”, que traduzirei aqui, psicologicamente, como o ” Momento Presente.”

[ * — Cf. Louis de Broglie, Lumiere et matiere; La physique nouvelle des quanta, (Paris: Flammarion, 1925).]

Fig. 1 - schwaller -  hieróglifo  kha -  luz ,  aparecer,  brilhar, irradiar.jpg

 

O princípio da incerteza de Heisenberg pode ser explicado assim: se é possível localizar precisamente um objeto em movimento num dado momento, não é mais possível saber a sua velocidade exata neste momento. Inversamente, se se pode especificar a velocidade de um objeto em movimento em um dado momento, então será impossível saber sua localização exata.

Certamente é uma questão de fenômenos intra-atômicos. O fato de observar a localização do elétron — ou pelo menos a probabilidade de sua posição — significa uma ação em relação a ele, que o modifica ou muda seu curso. Assim, o fato de observar o fenômeno modifica sua natureza, de modo que, num dado momento, apenas um dos dois elementos pode ser conhecido exatamente: ou sua localização ou sua velocidade. Podemos mais tarde “agrupar” esses dados, observados separadamente, a fim de reconhecer o fenômeno simultâneo sem realmente conhecê-lo.

Hoje, esse princípio de incerteza desempenha um papel de liderança no pensamento científico. A fé que colocamos no determinismo mecanicista no século passado deu lugar a uma dúvida que abre a porta à filosofia.

Heisenberg também desempenha um papel verdadeiramente “iconoclasta” na microfísica. Ele rejeita toda a imaginação e, portanto, a suposição de que os elétrons possivelmente se movem circunferencialmente, à maneira dos planetas, em torno de um núcleo ou sol (como Bohr reconheceu), quando só se sabe com certeza que há “camadas” com potenciais variados.

O “princípio da incerteza”, não nos permite localizar o elétron quando ele está se movendo a toda velocidade; Assim, podemos conhecer sua localização apenas como uma probabilidade. Heisenberg exclui o aspecto que é de fato incognoscível e está satisfeito com o aspecto cognoscível das diferenças nos potenciais energéticos. Ao definir o ato — ou, mais exatamente, a sua natureza — portanto, unicamente pelos números que representam esses valores energéticos das várias “camadas” ou estágios eletrônicos, ele contrapõe uma imagem concreta e assumida com uma “imagem matricial” puramente matemática correspondente ao fato observável.

Mas continuemos esta breve enumeração de alguns princípios, pontos básicos do novo pensamento, a fim de tornar mais compreensível a conclusão que dele se pode extrair. Nossas antigas leis não se aplicam mais ao átomo — isto é, ao constituinte da matéria. Elas permanecem válidas para a matéria, mas no átomo, por exemplo, a gravitação newtoniana já não desempenha um papel: são os efeitos eletromagnéticos que entram em jogo. Isto é um fato, mas que precisa ser estudado, pois ainda estamos confrontados com o desconhecido que as “afinidades” representam. Por outro lado, a química de Lavoisier está felizmente morta, já que agora sabemos que a matéria está constantemente desaparecendo em energia e que a energia sem cessar cria matéria (através da transmutação em isótopos). Sabemos que na atmosfera superior o nitrogênio é transmutado em um isótopo de carbono, que então “alimenta” toda a vegetação — um fato que lança (ou vai lançar) uma luz curiosa sobre os fenômenos “vitais” na superfície da terra.

Fig. 2 - schwaller - Dois Sicômoros - Re - ciclo do nitrogênio

Hoje sabemos algo que as pessoas no século XIX pensavam não ser mais temível: sabemos que todo nosso conhecimento deve ser revisto. É certo que um novo mundo foi revelado ao espírito humano: mas acima de tudo, deve-se notar que novas faculdades da inteligência estão se desenvolvendo, e é por este meio que a ciência pode agora penetrar mais no mistério da Natureza.

Não temos mais medo de observar que um simples raio de luz, refletido por uma superfície, é modificado por modificar algo na natureza atômica desse plano refletivo.

A nova Química, à qual a Física tem cada vez mais relevância, está tentando encontrar seu caminho e, por meio de hipóteses muitas vezes bastante estranhas, tenta explicar as combinações de átomos. Observamos a mesma revolução em Biologia: o evolucionismo de Darwin não pode ser corroborado; O transformismo de Lamarck, depois ampliado por Haekel, não é comprovado; A doutrina dos “genes” corre contra mutações.

Na verdade, em toda parte, em uma explosão apaixonada, as pessoas estão “procurando”, enquanto transpõem os dados para um nível mais sutil do que o da era arrogante e materialista do século anterior. As pessoas buscam em todos os lugares, exceto nos ensinamentos do passado, onde, na minha opinião, é encontrada a chave, ou pelo menos a indicação que pode nos conduzir à chave do tradicionalismo, para guiar o novo pensamento.

Uma vez que este estudo tem o símbolo e a simbólica como seu tema, alguém pode se surpreender ao encontrar questões sobre física resumidas aqui, questões com as quais os filólogos, que atualmente constituem os principais praticantes da Egiptologia, geralmente não se preocupam. Mas esta exposição superficial da situação atual da pesquisa em uma ciência pura deve deixar claro que não estamos lidando apenas com uma questão de uma nova posição do buscador em relação à experiência, mas, sobretudo, com um novo estado de pensamento, uma nova abertura da inteligência, que pode ser interpretada mais ou menos da seguinte maneira: a simultaneidade de estados opostos (complemerits) constitui o fenômeno. Até agora, por causa de nossa posição objetiva diante desse fenômeno, nós o temos considerado dividindo esses dois estados componentes, no que chamo de “dualização cerebral”, e é sobre esse “exoterismo” que construímos nossa ciência puramente analítica; chamaríamos, então, de síntese a “remendagem conjunta” de elementos isolados por análise. *

[ * — Como a “simultaneidade” não pode ser objetivada, não pode ser “fundamentada”. Assim, mesmo na relatividade Einsteiniana, o princípio da cisão permanece. ]

Fig. 3 0 schwaller - Seth e Horus - suas cabeças mesmo corpo

 

Com o “princípio da incerteza” em observação e especialmente nas conclusões que podemos realmente derivar da observação, e com o princípio do “descontínuo dentro do contínuo” mostrado pela luz, o experimentador e mais tarde o filósofo devem necessariamente concluir que o “momento vital” do fenômeno é caracterizado pela contradição de seus componentes. Assim, torna-se impossível conhecer o fenômeno em sua gênese, se não invocarmos dentro de nós uma nova forma de inteligência que rejeite a objetificação a fim de substituí-la por símbolos abstratos. Agora, esse procedimento obriga-nos a buscar uma “sensação” ou uma espécie de “visão intuitiva.” Assim, o fato de ser obrigado a aceitar esse estado de coisas no estudo da natureza já mostra que o pensamento humano está progredindo para esta nova forma de inteligência. Na realidade, o esoterismo é tão antigo quanto a humanidade, mas até então o estado de inteligência desse esoterismo pertencia apenas a indivíduos isolados.

O impulso para a expansão da consciência que nossa era está passando é provavelmente a razão subjacente real para a desordem que reina sobre toda a nossa terra. O progresso certamente existe entre aqueles que vivenciam profundamente esse estado de incoerência, e não aparece entre aqueles que, por causa de uma reação psicológica instintiva, se apegam a um materialismo dialético, um mecanismo niilista. O coletivismo, no sentido estatístico, não pode mais resolver problemas sociais do que problemas científicos.
O futuro exige um individualismo dentro do coletivo, o que parece absurdo para a inteligência do passado. Quanto à expressão, as notas enciclopédicas e os museus de cadáveres já não são satisfatórios; O que é necessário é a Simbólica, que sozinho pode efetuar uma ligação entre complementos no fenômeno vital.

E é a ciência racional, que hoje alcançou o que já está sendo chamado de surracional, que abrirá o caminho para o esoterismo de natureza supra-racional.

E se eu considero que o caminho da ciência pura, na atual pesquisa ansiosa, é errôneo, eu estou, por outro lado, certo de que o método de trabalho é bom em relação à extrema precisão e absoluta fidelidade de nossos cientistas em suas Experiências.

Depois desta breve e superficial enumeração de alguns elementos do novo pensamento, poder-se-ia perguntar: “Qual é a influência deste estado de coisas na Egiptologia, arqueologia, e simbolismo?”

Antes de responder, aqui está o que deve ser levado em conta.

Depois da certeza bastante insolente dos cientistas do século XIX, os microfísicos de hoje são relativamente tímidos. Eles são também os primeiros a distinguir o novo pensamento científico da ciência aplicada na macrofísica, aquela ciência da matéria para a qual as leis de ontem continuam a ser suficientes na aplicação prática e industrial. Essa timidez por parte de nossos estudiosos da ciência pura é inspirada no respeito pelos especialistas. Os filósofos deste novo pensamento vêem mais longe, e esses filósofos não são fantasistas.

É certo que tal revolução no pensamento — isto é, tal expansão da consciência, tal evolução da inteligência — não é o resultado de um capricho. Trata-se, de fato, de uma influência cósmica à qual a terra, juntamente com tudo nela, é submetida. Uma fase na gestação da partícula planetária do nosso sistema solar é completada. Gaston Bachelard observa, a esse respeito, o que ele chama de “mutação do Espírito” .* Um novo período deve começar, anunciado por movimento sísmico, mudanças climáticas e, finalmente, sobretudo pelo espírito que anima o homem.

[ * — Gaston Bachelard, Le Nouvel esprit scientifique (Paris: Presses Universitaires de France), p. 178.]

“Ogotemmeli” revela a Marcel Griaule * a base metafísica dos costumes dos Dogons, porque ele sabe “que chegou o momento em que essas coisas, mantidas em segredo até agora, devem ser ditas”; Os Bambaras “falam”; *2 o imperador do Império das Serpentes “fala” a F. G. Carnochan. *3

[ * — Marcel Griaule, Dieu d’eau, entretiens avec Ogotemmeli (Deus de água, entrevistas com Ogotemmeli), (Paris: Edition du Chene, 1948.)]

[ *2 — Solange de Ganay, “Notes sur la Theodicee Bambara” (“Notas sobre a Teodicéia Bambara”) Revue de l’histoire des religions, vol. 135, nos. 2-3; “Aspects de rnythologie et de symbolique Bambara,” Journal de psychologie normale et pathologique, April-June 1949, pp. 181-201.]

[ *3 — P.G. Carnochan and H.C. Adamson, l’Empire des Serpents (O Império das Serpentes) (Paris: Stock).]

Mas, sem visitar a África preta, que ainda nos reserva muitas surpresas, vamos observar o que ocorre em nossa vizinhança. Ninguém se preocupa menos com a matemática e a ciência racional do que os artistas, sejam eles poetas, músicos, pintores ou escultores.

No entanto, todas as artes estão em sintonia com o pensamento científico; todas elas tentam fugir de um modo de expressão específico e realista; Todas buscam apelar à “sensação intuitiva”, por meio de formas tão simplificadas quanto possível, até o ponto de redução geométrica.

Qualquer um que pensa e “experimenta” com qualquer sensibilidade responderá a este misterioso chamado do nosso tempo: a Idéia domina a forma; Espírito-Energia domina a matéria.

Assim, eu diria aos meus amigos Egiptólogos e arqueólogos, historiadores, ou simbolistas:

1. Demonstrou-se que, sem uma diretiva filosófica, não se pode progredir na investigação científica, qualquer que seja a sua natureza. Se esta filosofia científica ainda é “a posteriori”, hoje não há nada que impeça o fato — e o pensamento matemático permite que ele seja previsto — que um dia pode ser a experimentação que se torne “a posteriori”, obedecendo à diretriz de um pensamento que tem resolvido os problemas.

Isso sugere uma hipótese: a aplicação da ciência voltaria a ser, como no Egito e na Hellas, uma ciência empírica (isto é, sem pesquisa de causas), o Conhecimento sendo reservado para o Templo, isto é, para o seleto grupo de homens privilegiados ensinados a penetrar este Conhecimento porque esta penetração requer — como o nosso novo pensamento científico — saber antes de tudo como pensar sem objetivar. Este é um estágio na espera da expansão da Consciência que dará visão espacial. De fato, é óbvio, por exemplo, que a “imagem matriz” [“matrix image”] é meramente um método e não uma realização final e que deveria ser possível “objetivar”, numa forma superior de inteligência, um continuum de volume em quatro dimensões assim como agora fazemos com o volume Euclidiano.

Se a evolução existe, só pode ser uma “evolução da Consciência,” e provavelmente é lá que se deve procurar a pedra angular da nova biologia, que discutiremos em outro momento.

2. A observação de uma simultaneidade de estados mutuamente contraditórios, que só podemos conhecer através da dualidade (isto é, por meio de comparação), demonstra a existência de duas formas de inteligência.

Proponho a seguinte explicação:

A primeira destas formas requer o objeto ou a objetivação do conceito, daí a colocação do conceito no Tempo e no Espaço. Essa forma pode ser chamada de “inteligência estática”, que também é designada como “exoterismo” [“exotericism”].

A outra forma de inteligência concebe intuitivamente, mas sem ainda formular o conceito. Chamo essa forma de “conhecimento inato”; ela corresponde, além disso, a uma certa maneira de ver possuída por filósofos Gregos antigos, particularmente Heron de Alexandria.

[ * — Heron de Alexandria, Definições, 136, 1-4.]

Eles reconheceram que, inscrito na alma, estava o conhecimento universal que o objeto exterior desperta através dos sentidos. Agora, é precisamente a consciência do estado desse conhecimento inato que pode variar, isto é, expandir-se progressivamente e ficar mais rico ou mais pobre. *

[ * — Isto é observado aqui sem entrar em uma análise mostrando o que pode sustentar essa consciência adquirida.]

Assim que o conceito intuitivo — o qual se manifesta como uma certeza tão concreta quanto um objeto pode ser — torna-se formulado (isto é, descrito e definido) ele torna-se estático, “exotérico.” Assim, a forma intuitiva da inteligência pode ser chamada de “inteligência dinâmica”, uma vez que ela pode conceber o movimento, como uma espiral esférica, que é objetivamente incompreensível. Em matemática, esses conceitos são habitualmente chamados de “imaginários”, como, por exemplo, o Eixo [Axis], que é (é bom notar) inimaginável. Esta é, então, aquela inteligência “dinâmica” que é chamada de “esotérica”. *

[ * — O esoterismo (esotericism) está fora do racional, e não do surracional; ele está deste lado e além do racional. Ele consiste numa consciência, inata pela virture da gênese humana, em todos os tipos de vida natural. Por exemplo, a afinidade é um conhecimento inato. É um dos impulsos originais da faculdade de contar, a qual é um aspecto “a priori,” mas meramente “exotérico” da inteligência.
A faculdade de raciocínio tem sua fonte na impulsão além do racional: o esoterismo é a causa da Consciência em geral. Nós carregamos dentro de nós mesmos — na forma de conhecimento adquirido e latente — a experiência de todos os seres que, segundo a embriologia humana, presidiram sucessivamente à formação do ser humano.
Há um esoterismo da Ciência, significando as fontes abstratas do que pode ser conhecido, e há uma ciência do Esoterismo, que é a filosofia das causas.]

Essas são realidades às quais o novo pensamento científico deve estar em conformidade. Assim, torna-se completamente lógico criar uma filosofia matemática que exclua qualquer formulação objetiva: O valor expresso em uma fórmula — quer seja um imperativo ou uma equação — substitui qualquer forma imaginada ou até inimaginável. Além disso, o símbolo convencional substitui longas sequências de raciocínio.

Chegamos a esse ponto inevitavelmente.

Também, inevitavelmente, a escrita, que liga os dois estados ou formas de inteligência, é simbólica, já que o símbolo figurado — tanto mais correto para ser selecionado a partir de formas naturais — é o único que torna possível a ligação entre exoterismo e esoterismo, uma ligação que entra em cena em cada ato de compreensão.

3. Esta profunda crise epistemológica * — que estamos vivenciando e que pode ser interpretada paralelamente à revolução geral, tanto moral quanto social e estética — lembra outra profunda revolução no final da era Egípcia e no início da Era Cristiã. *2

[ * — Epistemologia: Este termo de linguagem filosófica significa o que poderia ser chamado de “mentalidade dos estágios evolutivos da inteligência” que todos nós carregamos dentro de nós mesmos, por meio da hereditariedade. Esses estágios, ou “mentalidades”, mudam com a evolução da inteligência. Assim, carregamos em nós um conjunto de “mentalidades” que nos guiam em nossos esforços intelectuais. Observando a porcentagem dessas influências, poder-se-ia assim realizar um “perfil epistemológico ou retrato” de cada pessoa. Por exemplo, um homem simples será influenciado 70% pelo que é chamado de “mentalidade mística”, 40% pelo “sentido realista”, 20% pelo “sentido positivo”, 5% pelo “sentido racional” e 0% pelo “sentido surracional”.
Desta forma, pode-se saber como este homem abordará o estudo de um problema.
N.B.: Aqui a palavra mística significa a tendência de atribuir às forças “divinas” as forças ocultas — daí à arbitrariedade dessas forças — todos os fenômenos da natureza.]

[ *2 — Uma crise semelhante ocorreu nesta época na China, com o fim da Dinastia Han, que também era uma Idade do Bronze.]

O que somos capazes de descobrir sobre a história do Egito antigo nos mostra uma revolução semelhante na véspera do Império Médio [Middle Kingdom], * por volta de 2200-2100 a.C. Essas três datas (a data Egípcia, o início da era Cristã, e nosso próprio tempo) correspondem muito bem ao aspecto revolucionário da natureza vital, aos ciclos precessórios *2 — Touro (Montu), Áries (Amon), o fim de Peixes (a Era Cristã), hoje (em cerca de 150 anos) — para esta correspondência entre as datas celestiais e grandes eventos na Terra ser pura coincidência.

[ * — A este respeito, pode ser interessante ler Junker, Pyramidenzeit.]

[ *2 — Cada ciclo dura aproximadamente 2.160 anos.]

Agora, se isso é verdade, aqui é onde a simbólica novamente assume um valor extraordinário, tanto na figuração pelos signos do zodíaco quanto na escolha (feita pela Antiguidade) de sua simbólica para o momento.

Essas crises são sempre profundas, e afetam toda a humanidade. Não se trata de uma revolução local, como a Revolução Francesa de 1789, que, apesar de sua repercussão geral em todo o mundo, era apenas um acontecimento precursor do que está acontecendo hoje. Além disso, observamos que o grande evento da passagem precessional de um sinal para outro é sempre precedido por eventos preparatórios. A “febre” começa no último decanato, ou 720 anos antes da “erupção.”

Agora, o que é preocupante hoje é que a atual revolução não promete ser construtiva. Por exemplo, a Era Cristã, baseada em uma revelação, vindo como uma conclusão lógica após a Era Egípcia, de fato decorre de uma revelação: * a consciência é enriquecida antes da aplicação, em todos os domínios da atividade humana.

[ * — Não se trata mais da revelação evangélica do Divino, mas da sua antropo-morfização. Isto é característico do fim do último decanato da Era Egípcia (quando na Grécia e depois em Roma as divindades principais são humanizadas, e o Homem divinizado agora coroa o templo, as estelas e as colunas).]

Em nosso tempo, a aplicação precede o estado de consciência, que não corresponde às realizações materiais; Há desacordo entre a dinâmica e a estática, entre o psíquico e o cerebral, entre a inteligência esotérica e exotérica. A crise é extremamente perigosa e pode ser chamada de um fim de um mundo, contendo uma anunciação, enquanto a crise final do Império Antigo Egípcio [EgyptianOld Kingdom] e a da Era dos Apóstolos foram, cada uma, o início de uma nova Era.

Essa sugestão de uma coincidência entre as datas dos grandes ciclos celestes e os eventos aos quais os homens da Terra respondem seria difícil de aceitar se não se percebesse o que está acontecendo no fundo da consciência humana. O fato de perceber isso por si só apresenta um fundamento extremamente interessante, mesmo para o estudo histórico, e necessariamente consonante com a simbólica.

Antes de falar do símbolo e dos princípios que se deve conhecer para entender sua psicologia, seria bom primeiro observar o significado que dou à simbólica. O “Simbolismo”, que é um modo de expressão, deve ser distinguido de “a simbólica”, que é a aplicação de um “estado de espírito,” ou, novamente, uma “mentalidade.” Simbolismo é técnica; a simbólica é a forma de escrita de uma filosofia vital.


 

 

Modos Simbólicos

QUANDO UMA IMAGEM, uma coleção de letras, uma palavra ou uma frase, um gesto, um único som, uma melodia ou harmonia musical têm um significado através da evocação, estamos lidando com um símbolo.

Isso pressupõe que o significado do aspecto determinado do símbolo deve ser conhecido, de modo a poder evocar um aspecto não determinado na consciência do observador. Esta é a natureza comum do símbolo — de alguma forma, seu efeito de reagrupamento [rallying effect] é como o efeito que algumas notas de um hino nacional pode ter sobre os patriotas sob o jugo de um invasor.

Por outro lado, ninguém entenderia o significado de U.N., Y.M.C.A., U.S.S.R., etc., se o significado de cada justaposição de iniciais não tivesse sido explicado. Uma vez reconhecido, evoca os grupos que representa, cumprindo um papel de reagrupamento [rallying role]. Uma imagem usada como uma marca registrada não significa nada simbolicamente sem uma explicação anterior.

Pelo contrário, uma melodia evoca momentos vividos, produzindo alegria ou tristeza, assim como uma sinfonia pode transportar o público para uma paisagem de primavera ou outono. Aqui se trata de uma evocação emotiva, e a música é seu símbolo. Na literatura, uma metáfora é um símbolo que evoca um significado por analogia;  alegoria é um símbolo causando um jogo da imaginação que substituirá a descrição dada.

Estes são exemplos de simbolismo exotérico: todos os dados —  símbolo e evocação — são objetivos ou objetiváveis.

A simbólica esotérica é diferente; ele é de uma natureza mágica. *

[ * — A palavra magia é entendida aqui com o mesmo sentido que em “mago” (“magus”) e não “mágico” (“magician”). Os Três Reis Magos (Three Wise Men) do Evangelho e Hermes Trismegisto estão relacionados com esta verdadeira magia (magia criativa) da ação espiritual, no momento certo, no cenário certo. Esta magia é a essência da Harmonia, Justiça, e Beleza. Trata-se do efeito mágico e não do produto, o qual pode agradar ou desagradar-nos. O efeito mágico só pode ser produzido através de um acordo perfeito entre a natureza da Causa e seu cenário e o momento propício.]

Por exemplo, a raspagem produzida por esfregar metal contra uma lata pode definir os dentes na borda. Da mesma forma, uma desarmonia fará com que o ouvinte comece e faça com que se sinta desconfortável. Uma caricatura faz as pessoas rirem. “A imagem da Medusa transformava (o espectador) em pedra.” Um rugido no silêncio da floresta fará tremer a pessoa mais corajosa; dois olhos fosforescentes no bosque à noite criarão medo.

Tais coisas podem ser analisadas como o choque dos inesperados efeitos da imaginação.

Mas a raspagem que ajusta os dentes na borda não é o efeito nem da surpresa nem da imaginação; É um efeito constante. Da mesma forma, o ruído feito por um fio de água estimula a necessidade de urinar mesmo quando se está dormindo. A repetição do mesmo som monótono (litanias) põe a consciência mental a dormir. Diversos exemplos da “magia dos análogos,” produzindo reações à distância, são efeitos simbólicos esotéricos. Ambientes desordenados tornam os ocupantes sujos e desleixados. O ambiente é sempre um símbolo mágico. O habitante de terras altas [highlander] difere, em caráter e em maneiras, do habitante de terras baixas [lowlander]. Quando o marinheiro acostumado a examinar o céu ocasionalmente cultiva sua terra, ele o faz de maneira absolutamente diferente do camponês que mantém seus olhos no chão.

O país faz o homem; o céu faz a terra. Céu e terra são os grandes símbolos que dominam a humanidade.

O símbolo esotérico é um fato natural ou artificial que provoca uma resposta vital abstrata, que será então expressa fisicamente, nervosamente, mentalmente, ou emocionalmente em um ser organizado, ou por uma reação energética em um ser não-organizado.

O efeito produzido pela atmosfera de uma catedral — por suas abóbadas, colunas, vitrais e símbolos figurados de princípios religiosos — é conhecido. Assim, pode-se admitir que se a simbólica se estende à escolha das pedras, dos metais, das cores, dos materiais colocados na fundação, das luzes favoravelmente colocadas — se, em suma, tudo corresponde simbolicamente ao significado do lugar — poderíamos, eu digo, compreender o efeito mágico dessa simbólica, que é o mais absoluto possível.

Na literatura, apenas a parábola representa a simbólico esotérica. Isso poderia ser explicado em termos do efeito de um espelho parabólico: todos os raios incidentes paralelos são refletidos em um único ponto central, assim como são, além disso, quando focalizados por uma lente biconvexa.

Mas a escrita hieroglífica é a escrita simbólica esotérica definitiva, na figuração de seus signos, bem como sua cor e colocação. *

[ * — Que eu não mencione nem a Heráldica nem a Liturgia aqui é intencional. A introdução destes temas exigiria explicações demasiado longas para este breve tratado.]

Fig. 4 -  Nut, engole o Sol todas as noites.jpg

 


 

 

Símbolo — Síntese

O SÍMBOLO DA PALAVRA [THE WORD symbol], derivado e distorcido de seu significado Grego usual, significando um sinal de reconhecimento ou senha, tornou-se sinônimo da representação de um conceito por um signo convencional. A montagem das partes (cacos) de um vaso quebrado, que também poderia ser representado por uma nota ou cartão de visita rasgados, significava — provavelmente num sentido popular — o símbolo ou sinal (hieroglífico) do reconhecimento.

Hoje em dia, qualquer letra ou imagem que substitua o desenvolvimento de uma idéia é chamada de símbolo (como um símbolo químico para corpos simples ou compostos, ou as iniciais das palavras de uma frase para designar um grupo ou uma figura de fala ou representacional para uma marca comercial); Mas uma única letra convencional em uma operação matemática (como o coeficiente Pi para o círculo, h para a constante de Planck, M para a massa, c para a velocidade da luz, etc.) também é chamada de símbolo, uma vez que cada letra requer um longo desenvolvimento para explicar o seu significado, assim resumido.

Quer se trate de uma imagem natural ou combinada, ou de um sinal convencional, a propriedade do símbolo deve ser uma síntese.

Quando, em química, desejamos representar uma combinação, fomos levados a especificar a reunião das partes em uma forma estática de duas ou três dimensões, e uma delas recorreu a uma imagem, quer no plano, quer no volume. Essas imagens são símbolos — isto é, sínteses — e não a verdadeira representação da combinação. Elas servem apenas como apoio (intuitivamente colocado no esquema) de uma função essencialmente qualitativa que provavelmente não pode ser especificada no Tempo e no Espaço.

É uma propriedade do pensamento a necessidade de um apoio, uma hipótese de uma natureza específica. Isso pode ser chamado de uma base-de-intuição [intuition-base], formando um andaime para a expressão do conhecimento através de séries e grupos, idéias implícitas, atmosfera, analogias — em suma, toda a radiação resultante desta síntese de símbolos. O pensamento evoluído, que é apenas uma expansão da consciência, então se livra do apoio. Pode-se dizer que o Espírito abstrato necessita de um apoio concreto que, por sua natureza, deve ser a síntese (localizada no Tempo e no Espaço) da forma a ser dada ao Espírito para que possa ter disponível o corpo necessário à experiência . Mais tarde, este apoio é abandonado, deixando o novo conceito em sua pureza.

A síntese não deve ser considerada unicamente como um produto do pensamento. No sentido químico concreto da palavra, a natureza oferece sínteses. Mas é sobretudo no seu significado psicológico que devemos tomar esta palavra. Eis o que Kant tinha a dizer sobre ela: “Pela palavra síntese em sua significação mais geral, compreendo o processo de unir diferentes representações entre si e de compreender sua diversidade em uma cognição”. *

[ * — Emmanuel Kant, Crítica da Razão Pura, trad. J.M.D. Meiklejohn, livro 1, seção 3.]

À definição de Kant devo acrescentar que toda coisa natural é síntese para a ciência racional, que deve proceder pela análise para adquirir conhecimento das partes componentes ou da natureza da coisa. Permita-me acrescentar também o que Marcelin Berthelot entende por síntese química, “aquela que pode produzir novas combinações desconhecidas à natureza”.

Existem três tipos de sínteses e três tipos de símbolos:

A síntese vital — que é o símbolo natural e sua expressão (forma tangível, palavra ou som característico e cor) — é o símbolo puro.

A ação de síntese, que representa o pseudo-símbolo (como a palavra, o vocábulo), substituindo a imagem e determinando o conceito.

O efeito sintetizador do pensamento, ou síntese psicológica, que representa o para-símbolo, através do símbolo convencional que resume um pensamento.

Fig. 5  Schwaller -   escaravelho -  vaso Nw.jpg

Todos estes aspectos da síntese são os símbolos do conjunto de funções, bem como a montagem de partes que a síntese implica.

Assim, o símbolo serve igualmente bem para a objetivação do pensamento e para um sistema de referências; Mas em seu sentido esotérico ele atuará como síntese psicológica evocando as funções, assim as relações qualitativas não objetiváveis que sua forma específica sintetiza.

Hoje, o novo pensamento científico deve apelar claramente à duas formas de inteligência, já que a experiência e a observação requerem uma postura determinista no tempo e no espaço, manifestando, ao mesmo tempo, o aspecto indeterminável da simultaneidade imposta pelo fenômeno. *

[ * — Este estado de simultaneidade, absurdo, mas lógico, pode ser interpretado matematicamente pela raiz de menos um figurinha raiz que só pode ser +1 e simultaneamente -1, ou ± 1.]

Pode-se dizer, para a inteligência objetiva, que há um passado e um futuro, mas nunca um Presente e que, para a Realidade, existe um Presente eterno e invariável, fora do Tempo. *

[ * — Veja o capítulo, “O Princípio do Momento Presente”.]

fig. 6 - schwaller - dois leoes aker -  ontem e hoje -.jpg

Pode-se optar por qualquer uma destas considerações. Cada uma pode ser relativamente verdadeira. Mas o que importa não é uma verdade relativa, mas o que é real, e por esta palavra eu quero dizer o que é invariável. Nesse sentido, o símbolo não precisa ser verdadeiro, nem ser considerado como tal;  ele não é a verdade, mas é a “realidade.” Ele é objetivamente determinado no Tempo e Espaço, mas, como simultaneidade (síntese), está fora do tempo. O símbolo como síntese é o “Momento Presente” eterno, porque a mesma conjunção de condições que criou seu desenvolvimento a obrigará a ser continuamente o que é; Isso prescreve a noção de identidade, que é objetivamente inconcebível.

Há uma inversão de posições para as duas inteligências: para a inteligência objetiva, há determinismo, onde para a inteligência não expressa, intuitiva (conhecimento inato), há o não-determinismo. Por outro lado, o não-determinismo da simultaneidade para a inteligência objetiva torna-se a realidade determinada para a inteligência não-formulada e intuitiva.

Para explicar o precedente, tomemos o exemplo do coeficiente Pi. Objetivamente, o círculo é compreensível apenas como um conjunto de bases de triângulos tendo seus vértices no centro do círculo (Euclides). Assim, tentaremos calcular o coeficiente de sua relação com o seu diâmetro por meio de polígonos e por uma estimativa resultante dos polígonos inscritos e circunscritos.

É evidente que nunca obteremos um número finito dessa maneira, e Pi deve ser um número irracional. Aceita-se a fórmula “absurda” de um polígono com um número infinito de lados, o que atesta a sensação de que o círculo não pode de modo algum ser conhecido através de polígonos: intuitivamente, estamos certos de que o círculo é uma linha que se curva ao longo de cada Parte de seu caminho, por menor que seja essa parte. Por exemplo, façamos um objeto descrever um círculo: é evidente que somente um momento imaterial indefinível (como uma extensão do raio que traça este círculo) seguirá a curva, enquanto o objeto, em seu comprimento, será sempre somente tangente.

A letra Pi, escolhida arbitrariamente, torna-se um símbolo. Como símbolo, este Pi sintetiza uma função objetivamente incompreensível e inexplicável, e todo esforço matemático para calcular esse valor deve, a cada momento, invocar uma realidade abstrata, intuitivamente conhecida e objetivamente inexprimível. Este é o caso de todos os símbolos matemáticos e, em última instância, do símbolo em geral. O símbolo Pi é uma síntese; O símbolo c é a síntese da velocidade da luz; Em hieróglifos Egípcios, o cúbito [côvado] (o antebraço) é o símbolo da síntese de medidas, por causa de sua medida do universo particularizado no microcosmo humano, mas não é uma medida definida. *

[ * — Lembremo-nos, neste contexto, que na China há, para a medição do corpo humano, uma medida (uma pequena medida) chamada tsun, que é, por um lado, peculiar a cada indivíduo e, além disso, diferente para a cabeça, membros, e o tronco. É indispensável conhecer essas unidades de medida para a acupuntura e para o estudo de pulsos.
Notemos também que cada unidade de medida de comprimento é chamada “tsun.” Da mesma forma, no Egito a unidade “cúbito” [“côvado”] tem vários significados que só se pode entender se se conhece a filosofia de sua aplicação.]

fig. 7 - schwaller -  Lotus.jpg

 

O símbolo age como o elo entre a inteligência racional e a inteligência chamada hoje surracional; esta última só pode ser expressa em forma matemática. Trata-se aqui de uma nova consciência, isto é, epistemologicamente falando, de um novo estado do poder do pensamento; Isso parece ter sido conhecido e evidente entre os antigos Egípcios, uma vez que eles construíram toda a sua expressão sobre o conhecimento deste dualismo da inteligência, que a tradição rotula de exoterismo e esoterismo.

A consideração ordinária do símbolo Egípcio o reduz a um significado primário arbitrário, utilitarista e singular, enquanto que na realidade ele é uma síntese que requer grande erudição para sua análise e uma cultura especial para o conhecimento esotérico que ele implica — o que não exclui a necessidade de ser “simples” ou saber “simplesmente olhar” para o símbolo.
————————————————————————————————————————————

 

 

Sumário do Conhecimento Inato

CADA VEZ que uma atividade e suas consequentes reações produziram um fenômeno que esgota todas as energias envolvidas, esse fenômeno conta como Um; Isto é, constitui uma individualidade. O cálculo Egípcio procede dessa maneira por frações, assim como nossa matemática também. Em relação a uma nova função, o símbolo conta como Um.

Assim, o símbolo é o princípio característico do número Pitagórico: existe o “número enumerador” e o “número enumerável” da aritmética ordinária e o número não-numerável da Ciência dos Números, a nova Unidade, uma entidade derivada da “conexão vital” dos números dos componentes e não de uma adição quantitativa.

Há, por exemplo, um tronco e seus ramos, constituindo uma árvore. Esta árvore, como tal, tem novas qualidades; Ela é um todo, um novo indivíduo. Em outra categoria, pode-se dizer também que um buquê é um todo que representa o que cada uma das flores que o compõem não pode ser separadamente.

Contamos cinco dedos, e esse número, cinco, não é mais uma adição de cinco unidades, mas uma mão com novas qualidades e um poder particular que nenhum dos dedos pode ter. Assim, no sentido Pitagórico, cada número é uma unidade em si mesma, uma entidade, uma individualidade, e como tal é não-enumerável.

Este princípio de agrupamento tornou-se um fator importante no novo pensamento científico. Não se fala mais do número Pitagórico, mas de seu princípio é aplicado. *

[ * — Isto é dito sem levar em conta a natureza matemática do novo pensamento científico. A maneira pela qual se consegue finalmente conceber o universo, expressa por valores matemáticos, não tem nada em comum com o número Pitagórico, não mais do que as “formas matriz” (“matrix forms”), ou formas definidas por coordenadas de superfície ou volume. No máximo, pode-se “profetizar” que o novo pensamento acabará concluindo, junto com a escola Pitagórica, que o Universo não é nada além de Número.]

Todos os eventos no tempo, não determináveis para o indivíduo isolado, mostram-se — na totalidade dos agrupamentos desses indivíduos — independentes uns aos outros. Quanto maior o seu número, mais preciso se torna o cálculo da probabilidade.
A incapacidade da inteligência exotérica (objetiva) para estudar o segredo da vida do indivíduo em qualquer profundidade leva o microfísico, assim como o sociólogo, a abordar o princípio da coletividade para tirar conclusões estatísticas. Esta “atração” é um último recurso, enquanto se aguarda o momento em que a realidade da “outra inteligência,” aquilo que poderia ser chamado de “conhecimento inato,”,  é reconhecida. *

[ * — A este respeito, ver Lecomte du Nouy, L’Homme devant la science (Paris: Flammarion, 1941) p. 207. “Vimos que, apesar da flexibilidade que a possibilidade de flutuações lhes confere, as leis de números grandes (cálculo de probabilidades) não conseguem nos fornecer qualquer explicação plausível ou provável para o fenômeno da Vida. O determinismo nem sequer abordar esses problemas, pois ele não é, e nunca foi, um instrumento construtivo, e não pode, em qualquer caso, explicar uma evolução, seja ela qual for. Como o cálculo das probabilidades, reconhece apenas uma força motriz: a probabilidade (sorte) [chance]. Mas ele faz com que esta probabilidade só intervenha uma vez, na origem do universo, e tudo o que se segue é a consequência inelutável deste primeiro lançamento dos dados, o movimento da mão para o qual Pascal não podia perdoar Descartes.”]

A conclusão estatística, útil para a coletividade, é um erro em termos do indivíduo. O grupo é “um todo”, um novo ser;  sua energia é nova;  suas tendências são diferentes daquelas das unidades que o constituem. Portanto, após a pesquisa sobre o átomo, será necessário retornar ao estudo do complexo (o grupo) para conhecer o simples, pois — com o método científico racional — o simples é impenetrável.

Em nossa abordagem simbólica entende-se que o indivíduo é ele próprio composto de um grupo, mas através deste grupo ele se tornou uma individualidade, isto é, uma unidade independente de outras unidades semelhantes. Assim, cada parte do que o compõe não pode mais ser considerada como uma individualidade e não pode mais ser objetivada. Assim, só se pode falar de “Princípios” qualitativos ou energéticos. *

[ * — O Meter (plural: Neteru) é princípio, mas não é usado como uma palavra significando “o princípio” no antigo Egito. Neter é traduzido desajeitadamente como “Deus”, que, no deísmo Judaico-Cristão, tem a conotação de uma Unidade absoluta. O “daimon” Grego seria mais adequado. Mas por que não dizer simplesmente “Neter”?]

A experiência vital da individualidade torna-se sua e só pode afetar os princípios de sua constituição. É essa modificação, introduzida no todo energético constituindo a individualidade, que especifica esta última; A experiência vital modifica sua especificação de forma constante, constituindo sua experiência adquirida, que então só influenciará os genes e sua mutação — criará o que chamo de “consciência cerebralmente inconsciente” ou conhecimento inato.

Graças a esta consciência inata somos capazes de compreender; É o Intelecto, ou alma viva, que a observação sensorial — através da evocação — fará com que se crie [will cause to create].

————————————————————————————————————————————-

 

O Princípio do Momento Presente

O TEMPO É medido pelo movimento. Em cada instante um movimento só pode ser concluído ou estar prestes a começar. Não pode ser de outra forma, uma vez que ele não pode ser passado e futuro “ao mesmo tempo.” O Momento Presente não pode, portanto, ser situado: ele está fora do Tempo, porque está fora do movimento mensurável. Ele apresenta as condições de um Absoluto.

É a partir deste Absoluto que constantemente extraímos nossas forças. Ao morrer, a célula se reproduz. Esta passagem de Um para Dois é o seu “Momento Presente”, que não pode ser localizado no Tempo, embora as fases de karyokinesis sucedam umas às outras para criar a gênese da nova célula. O “Momento Presente” é “aquele que obriga o núcleo a se dividir.”

Cada instante de vida é negação e afirmação “ao mesmo tempo”, isto é, ausência de Tempo. Podemos, por extensão, falar de uma duração como sendo a hora ou época atual, por exemplo. Mas cada momento desta hora ou época é uma “colisão” entre o impulso do passado e o obstáculo do futuro.

É apenas localizando-nos fora do tempo que podemos falar de uma Presença. Por exemplo, uma determinada pessoa está presente: ele não está em outro lugar; Ele está aqui, num espaço específico — isto é, um movimento preso no Tempo. Assim, Presença pertence ao passado e não ao futuro. Isto é ilustrado, por exemplo, pela “Presença Real” [“Royal Presence”], simbolizada no Parlamento Britânico pelo “Bastão” [“Mace”]. Esta é uma parada no tempo, como um marco na estrada, que não impede o Tempo de passar ao lado dele ou a estrada de desenrolar. Presença é um símbolo; O Momento Presente é Eternidade.

fig. 8  - schwaller -  horus harpocrate -  leoes aker - babuino toth  e olho udjat.jpg

 

 


 

 

 

O Objeto Descontínuo
no Presente Contínuo

NO fenômeno vital, a gênese é o aspecto dinâmico. * Um dado momento das relações funcionais que constituem a gênese é o momento vital. Só se pode conhecer o momento vital quando ele é interrompido pela morte; Este é o seu momento estático, que significa a sua negação. Assim, não se pode conhecer objetivamente esse momento vital: só se podem conhecer seus efeitos, ou seja, seus efeitos fixos, os estágios da gênese.

[ * — Aqui, a palavra ‘dinâmico’ é usada no sentido de um impulso exausto que engendra uma sucessão vital, ou gênese, e não no sentido cinemático de um deslocamento no espaço.]

A consciência objetiva da simultaneidade “dinâmico-estática” é impossível, uma vez que há uma contradição; Mas é possível, usando a inteligência intuitiva (não expressa), do dinamismo vital, justapor ou comparar o símbolo objetivo com o estado estático (localizado) do momento vital, seu estágio atual.

Este estado de comparação — isto é, de justaposição de um estado objetivo, instável no Tempo, com um estado de simultaneidade sempre presente — não deve ser confundido com a justaposição de dois mundos, ou duas “presenças.” No Presente, tudo se mistura, incluindo todos os instantes da gênese de cada coisa. O presente é uma dimensão não objetivável que contém todos os volumes. Do ponto de vista do Espaço, é a Necessidade que obriga as coisas a existir sob condições específicas; ele é também, no sentido do Tempo, a Possibilidade imanente em cada objeto em cada instante. Assim, a Criação é constante para o esoterismo, mas para o exoterismo ela está localizada: “No princípio …”

A consciência não expressa da simultaneidade é síntese e não-sintetizante; É o significado esotérico, enquanto o exoterismo é necessariamente analítico.

A opinião da Ciência (que eu considero errônea) é que o Conhecimento será alcançado através da síntese de elementos analiticamente localizados, mas, eu penso que — assim como se pode vislumbrar em matemática — com a expansão da consciência nosso pensamento está se dirigindo para “visão sintética direta.”

Nesse sentido, o símbolo é, portanto, o objeto, exterior a nós, que desperta conhecimento inato através dos sentidos. Isso cria nosso conhecimento intuitivo do simultâneo, uma continuidade na qual uma descontinuidade está localizada.

Por exemplo, a imagem de um pássaro em vôo é o símbolo do vôo de um animal alado. Esta imagem é um momento estático (preso no Tempo) desta função de voar, sua fixação. Este símbolo desperta em nós não somente o que temos registrado em nossa memória sobre o vôo das aves, mas também nosso conhecimento inato do vôo, nossa sensação de vôo, e nós encarnamos esse conhecimento no símbolo-imagem, que assim se torna uma síntese de nosso conhecimento do vôo do pássaro. O que importa não é a imagem, mas o símbolo-síntese da função do momento vital.

A imagem é morte; o símbolo é vida. Em relação à vida, a morte não é senão uma fixação no Tempo, daí uma falsa eternidade. A verdadeira eternidade deve ser buscada na consciência inata, não expressa, que se torna o conhecimento intuitivo da simultaneidade.

Agora, seria necessário ser onisciente para ser capaz de discernir todas as possibilidades contidas em um símbolo, o que implicaria o “conhecimento inato” de todo o Universo.

Consequentemente, para fazer uso prático do símbolo, um sistema consistindo em uma escolha das possibilidades que deveriam ser procuradas nele pareceria inevitável. Mas tentar estabelecer um sistema racional (o que é possível, se necessário) seria recair em uma interpretação exotérica que privaria o símbolo da possibilidade de falar esotericamente.

A escolha deve ser feita pelo leitor, unicamente à luz e à medida do seu próprio conhecimento inato.

Basta observar os princípios filosóficos aos quais os símbolos se ajustam para aprender a buscar em si o significado sumário de sua síntese.

É preciso saber também que, por exemplo, no Egito antigo a escolha de um animal como símbolo foi guiada por um profundo conhecimento da vida desse animal, de suas características vitais, de seus hábitos, de sua assimilação, da duração de sua gestação, Seus costumes de acasalamento (a estação e mesmo a hora do dia), etc. *

[ * — A simbólica Egípcia não hesita em escolher, entre todas as variedades de um tipo, os elementos característicos que se deseja acentuar, criando assim uma imagem composta, que os nossos estudiosos tentam incansavelmente — e em vão — colocar numa classificação esquemática.]

Na doutrina do microcosmo, cada animal é um estágio da gestação universal, cujo objetivo, para nós, é o Homem: Homo sapiens.

fig. 9 - schwaller  - passaro Benu.jpg
———————————————————————————————————————————

 

 

 

Relacionamento É O Símbolo do Ser
Relationship Is The Symbol of Beign

SER, COMO existência, manifesta-se apenas através de relacionamento, isto é, do intercâmbio entre os dois componentes complementares do Ser.

Chamamos de complemento as duas qualidades específicas de uma coisa, uma das quais nega a outra.

Por exemplo, o brilho e a sombra fazem a luz. Sem sombra, nenhum objeto seria visível, de modo que se o brilho fosse sem sombra, não conheceríamos mais a luz do que um cego. Esta proposição também pode ser revertida: o cego é aquele que vive em um brilho sem sombra — o que muitas vezes é verdade.

Outro exemplo amplamente conhecido é o das cores complementares, como vermelho e verde, amarelo e roxo, laranja e azul. Sobrepostos, por meio de subtração, esses complementos anulam toda cor, e (teoricamente) fazem o preto; Adicionados juntos, eles (teoricamente) dão a luz branca.

Os complementos não existem separadamente, não mais do que o Pólo Norte sem o Pólo Sul; eles são os componentes abstratos do Ser; eles são, essencialmente, os princípios ativo e passivo, masculino e feminino.

[ * — O yin chinês e yang.]

O estado passivo mecânico, que é meramente uma atividade menor, não deve ser confundido com o princípio vital passivo.

No estado vital, os complementos são os pólos de um único eixo e não um estado relativo, como seria a relação de dois objetos se movendo em velocidades diferentes. O princípio passivo é uma atividade inversa. *

[ * — Nesse sentido, notemos que o Espírito, ou substância sem forma, é passivo. Este é o princípio cósmico feminino. É através do efeito do odor que é o “verbo agindo” que esta “palavra,” através da feminilidade, cai na natureza. (Para uma definição de “odor” ver página 74.)]

fig. 10 - schwaller  lubicz -   cabeça dupla horus seth - -.jpg

Há um intercâmbio de atividades, um intercâmbio de energia; Daí, a possibilidade de adição e subtração, de aniquilação ou exaltação mútua. Esta relação é assim o símbolo do Ser: a coisa.

O símbolo liga complementos, demonstra Ser, implica as atividades positivas e negativas; É o aspecto transitório e fenomenal entre a abstração causal e sua negação.

Assim, o símbolo deve sempre ser considerado como uma relação entre dois elementos abstratos e complementares. Por exemplo, a lebre não é um símbolo para o caçador, porque ele considera a lebre em relação a outro jogo: raposas, perdizes, codornizes.

A lebre só pode ser um símbolo em relação a si mesma, isto é, como resultado dos dados vitais que são “especificamente lebre.” Consequentemente, o mesmo alimento produzirá uma lebre no seu caso, um coelho no caso do coelho. Ser lebre significa, acima de tudo, ser um fermento específico que transforma toda a energia que recebe em lebre (por exemplo, pelo ar respirado e pelo alimento sólido e líquido). Por esta razão, todas as características físicas e psíquicas, assim como as atividades desta lebre, serão manifestadas neste símbolo. O símbolo de lebre, como relação entre os princípios de sua semente específica, é uma fase típica, localizada embriologicamente (no sentido cósmico) no desenvolvimento do ser último em direção ao qual a Natureza tende. Sua imagem pode assim expressar todo o complexo desta fase, e uma nuance nessa figuração pode acentuar um princípio digno de nota.

—————————————————————————————————————————–

 

 

O Cruzamento: Princípio da Evocação

TODA CAUSA deve ser considerada como uma atividade que é relativamente positiva ou negativa.

A conseqüência fenomenal da causa é sempre “catódica,” porque, sem resistência, a reabsorção da atividade causal seria apenas uma anulação, e porque a resistência necessariamente causa uma reação.

O efeito catódico é a melhor ilustração do efeito reativo, como é demonstrado pelo efeito da reflexão em um tubo catódico de Crook. *

[ * — A corrente positiva de uma corrente de indução (eletricidade estática) é introduzida, por meio de um “ânodo” em um tubo que foi feito um vácuo tanto quanto possível. O oposto deste “ânodo” é o “cátodo,” que capta a corrente negativa e contém uma espécie de espelho (folha metálica) colocada num ângulo de 45 °, de modo a refletir a corrente positiva capturada para um lado do tubo. Uma vez fora do tubo, este fluxo (no caso raios-x) é o efeito catódico.]

Assim, a luz da lua pode ser considerada um efeito catódico — isto é, um efeito incorporando os raios do sol. Um efeito similar, especial é produzido em cada planeta; a intensidade do fluxo solar e a natureza do cátodo, assim como o ângulo de reflexão, modificam a radiação resultante. O caráter “incorporante” do cátodo significa a especificação da radiação incidente neutra.

Toda causa — ou, mais corretamente, toda atividade — é uma causa apenas por causa da resistência oposta e que reage. Essa reação é um “fenômeno.” Nem a emissão do ânodo nem o obstáculo do cátodo aparecem no tubo vazio. O raio Roentgen que resulta deles é um fenômeno, e agora sabemos que se trata de uma atividade verdadeiramente nova (reatividade) dos átomos do cátodo.

Este princípio de reatividade é aplicado na simbólica esotérica. Ele é prescrito pelo fato de que uma definição intelectual (não-situada) é impossível. Assim, essa definição deve ser evocada pela reação, mas não se pode descrevê-la sem localizá-la no Tempo e Espaço, portanto “fixando”-a.

O símbolo, como síntese, evoca — através da sua natureza estática e concreta — o todo funcional e qualitativo do qual ele surge; Isto é, evoca vitalmente sua definição não localizável.

Este modo de pensamento é a chave para o pensamento faraônico. * Além disso, é semelhante ao dos Chineses. **

[ * — Veja o capítulo, “A Simbólica”.]

[ ** — Marcel Granet, “La Pensee Chinoise,” in L’Evolution de l’humanites (Renaiseance du Livre). Este é também o princípio do método “homeopático” da terapêutica.]

fig. 11 - schwaller lubicz - Neteru - caduceu conjunction - olho direito e esquerdo -
———————————————————————————————————————————-

 

 

O Símbolo Como Expressão de Uma Vontade

TODO CÍRCULO, como um movimento circular, tem um centro. Este centro controla esta curva contínua e regular, que é fechada; ele é atraente, assim como a circunferência é repelente (centrífuga). Este centro é um poder abstrato que governa o fenômeno do movimento circular. Dois centros fazem um movimento elíptico (ou assimilado) se a curva for fechada. Se a curva não for fechada mas estiver sobreposta, o centro torna-se uma linha ou uma figura, horizontal para uma espiral, vertical para uma curva helicoidal, etc.

O centro controla; ele é a vontade da figura. Três eixos de igual comprimento, que se cruzam a 90 °, são a vontade do cubo. A forma do movimento e a forma do volume Euclidiano estão no centro e na sua radiação.

Digo que a vontade de uma esfera giratória é o eixo magnético, e seu equador é o efeito elétrico centrífugo. Por outro lado, todo efeito magnético é a contração da vontade, que produz o efeito elétrico dilatador e equatorial. Inversamente, cada corrente elétrica circular provoca o efeito axial magnético. A vontade é esotérica; o efeito é exotérico.

Mas onde, então, está a vontade do “recipiente” [“container”],  o volume não-Euclidiano?

Sua vontade é a semente, isto é, a especificação dos “conteúdos”, daí uma gênese — isto é, Tempo, pois Tempo não é outra coisa senão gênese. A Gênese nos aparece como Tempo.

Agora, toda vontade de movimento e de forma é uma especificação de Energia. A vontade é assim identificada com a semente, como o especificador, e, como gênese, aparece como Tempo ou duração.

A semente ordena o volume, isto é, Espaço; A gênese desse Espaço ordena o Tempo. A vontade é o que Lao-Tsé chama de “o eixo vazio da roda” (ou, “o vácuo entre os raios [aros] da roda”). *

[ * — No Tao Te Ching, Lao-Tsé, o esplêndido sábio, diz (a grosso modo): “A roda tem doze raios que se encontram no centro, nem o aro nem os raios fazem a roda, mas é o eixo vazio que faz a roda.” (em outra tradução temos: “Trinta raios convergentes no centro Tem uma roda, Mas somente os vácuos entre os raios É que lhe facultam seu movimento.”).]

A Vontade Absoluta da Origem inclui todas as especificações.

Tudo o que é naturalmente especificado é um símbolo e a expressão de uma vontade, portanto, de uma semente especificadora de Energia não-objetivável: o Recipiente [the Container], a Substância-Espírito não-polarizada. A Vontade especificadora, o “Fogo” da semente, era chamada de o “odor” pelos antigos Egípcios —  o “odor” do Neter, (isto é, num sentido esotérico, aquilo que é emanado pelo Neter como uma semente ejaculada ).

A vontade contida deve ser sempre procurada no símbolo, quando o símbolo é selecionado para um ensino esotérico. O caráter desta Vontade é aquilo que sempre obrigará o Espírito — a Energia não-polarizada — a se definir no Tempo e no Espaço, portanto sob a forma do símbolo. Este é o significado “mágico” do símbolo. Com relação ao Espírito, essa “magia” opera como a Idéia Platônica, assim como o ritmo age em nossa vontade de movimento; nós obedecemos apesar e em desacordo com tudo, mesmo quando não cedemos.

——————————————————————————————————————————

 

 

 

A Simbólica

A SIMBÓLICA é o meio de expressão — a forma de escrita — da filosofia “vitalista”; o símbolo é sua sinopse vital.

Dado que, como vimos, o símbolo é a forma estática da relação entre dois momentos incompreensíveis em sua simultaneidade, a justaposição de símbolos torna possível a expressão — sem formulação — de identidades da natureza que podem se manifestar em dualidades opostas.

É evidente que, numa filosofia vitalista, o símbolo deve agir como o conceito. Mas este conceito tem valor apenas através da idéia implícita, já que ele é meramente a relação entre essa idéia e seu complemento. O símbolo é assim a sinopse de uma função lógica, ao invés de um conceito que se encaixa em uma função silogística quantitativa.

Essa filosofia é aquela do jogo vital e “não-quantitativo”, ou seja, ela relaciona funções apenas e não fatores, e portanto não pode incluir um jogo equacional de silogismo, para o qual os dados (mesmo abstratos) são renderizados através de comparação , objectiváveis. Por exemplo, a “cariocinese” é em si mesma uma função não objectivável. Ela é objetivável apenas em seus momentos estáticos e não em seu momento vital e dinâmico. A essência desta função é a cisão de uma unidade: a dualidade resultante confirma isso para nós. Não é esta dualidade que é a cisão: como vontade, esta cisão é idêntica à cisão original, ou Criação, mas se distingue desta última pelo fato de que ela opera em algo que é qualitativamente divisível.

fig. 12 -  barcas kephri sobre leoes aker  aguas de nu.jpg

Em cada função há um momento que não pode ser localizado no Tempo; eu o chamo de o “Momento Presente.” É com este momento esotérico que a simbólica se preocupa, e nele o símbolo atua como a sinopse que transmite essa idéia funcional implícita.  A única maneira de conhecermos esta idéia não definitiva é através da certeza do nosso conhecimento inato, que nos assegura dessa realidade que está necessariamente implícita no símbolo. Por exemplo, se uma pedra cai, esse fato implica uma atração que não conhecemos em si mesma; nós a conhecemos somente através de uma justaposição dos elementos quantitativos de uma análise que pode ser formulada em leis. Podemos falar de uma massa que atrai, mas isso não nos diz mais sobre o que essa atração é.

A queda da pedra é um símbolo esotérico, se a considerarmos em termos da idéia implícita, mas se considerarmos esta queda como sendo situada no Tempo e Espaço, ela é apenas um fato exotérico, a partir de um conhecimento quantitativo. Agora, é a “função daquilo que atrai” que é a realidade cósmica, e não a atração em si, que só atua como tal dentro de um certo aspecto da matéria, como a microfísica revelou recentemente.

Assim, a filosofia vital, expressa pelo simbólico, preocupa-se com o momento vital eterno e não com suas aplicações acidentais, nas quais pode sempre modificar sua aparência.

Sob estas condições, pode-se raciocinar  — isto é, construir um sistema de lógica vital? Certamente, se não se busca uma conclusão presa no Tempo e Espaço. É a Vida — o dinamismo em si mesmo — que importa; a revelação do símbolo, então, é universal. Isso significa que não há diferença no momento vital em relação à condição em que se manifesta. Por exemplo, se uma determinada planta é um afrodisíaco para um touro, há nesta planta o mesmo estado funcional (pode-se recordar os Arcanos de Paracelso) que aquela que, para o touro, causa sua irritação sexual. Existe uma identidade funcional. Além disso, se esta planta (um momento estático ou um símbolo no Universo) existe e da mesma forma o touro existe (ou mesmo se este touro já não existe), a realidade (ou Idéia) desta planta é, foi, e sempre será ; ela corresponde a uma fase da gênese cósmica que perseverará, por causa do fato da criação constante.

Aqui reside uma base para a solução do problema da causalidade original.

Quando, pela análise, se chega à origem energética da matéria, pode-se contestar o princípio da causalidade original, na medida em que se persiste em ver no fenômeno apenas uma seqüência quantitativa e enquanto a vida é vista como uma bio-físico-químico (e hoje, naturalmente, microfísico). A fronteira é empurrada para trás; não é atravessada. Isso reduz a “causa” em geral a um efeito dinâmico da quantidade, uma dinâmica causada pela própria natureza da constituição energética do átomo. Neste caso, vê-se na Energia apenas uma Energia polarizada, isto é, um efeito energético, e não mais uma causa original.

Einstein define a energia como um efeito da Massa e da velocidade de seu movimento; * portanto, há massa e há movimento; portanto, há também o Tempo e o Espaço (qualquer que seja o subterfúgio usado para desprender-se deles) mesmo que esta massa seja um estado de Energia.

[ * — Esta velocidade é um limite qua c2 ou a velocidade da luz ao quadrado. Portanto, a massa M = Ec2. ]

Poder-se-ia conceber a ciência sem um sistema de referência? Isso seria um Fiat Lux, daí uma causa fora do sistema.

O problema que pensamos que estivesse definitivamente eliminado surge novamente hoje, pois agora estamos diante de um impasse. Resolvemos a dificuldade reconhecendo que tudo é, em última instância, luz — O derradeiro sistema de referência: c = velocidade de propagação da luz. Agora, a luz é uma causa? Em caso afirmativo, em que ela atua? E se ela é um efeito, qual é a sua causa?

Na medida em que não reconhecemos a realidade do “Presente,” não aceitamos esse momento incompreensível no mundo fenomenal, mas que se impõe até mesmo ao racional — na medida em que não aceitamos o princípio da eternidade do Presente, permanece a necessidade de uma dualidade, Ciência e Crença; e os “historiadores”, na sua interpretação da tradição, estão, até certo ponto, corretos em desconfiar do “simbolismo.”

Esta noção do eterno Presente requer certas especificações.

Exotericamente prevemos que, sob certas condições, uma determinada causa produzirá um determinado resultado. Todo conhecimento baseia-se nesta previsão que é o resultado da observação e constitui um determinismo primário. Este empirismo torna possível a generalização que formula as leis da ciência.

Agora, filosoficamente, uma causa é apenas Causa no momento em que produz um efeito, que não é de modo algum certo. Sob as mesmas condições conhecidas, a mesma causa pode produzir um efeito muito diferente. Por exemplo, sabemos hoje que influências (como a dos raios cósmicos) podem modificar o efeito de uma reação química.

Suponhamos que uma pedra caia da cornisa de uma casa. É tarde demais para avisar o transeunte que esta pedra está prestes a matá-lo. Sabemos que esta pedra vai matar este homem; Prevemos esse efeito. O que prevê? Nossa memória; Isso nos mostra a inevitabilidade desse efeito. A inevitabilidade está em nossa imaginação que é criada por nossa memória. Pois, na realidade, esta pedra pode ser desviada do seu curso; O homem pode mover-se um pouco mais rápido ou mais lentamente e a pedra não atingi-lo. Em qualquer caso, a queda da pedra só será a causa do esmagamento deste transeunte (e, portanto, só produzirá seu efeito) se encontrar nesse homem um obstáculo à sua queda. Antes disso, ela não é a causa.

Causa e efeito não são separados por qualquer momento. Nenhuma reação química pode liberar os elementos durante o momento de sua passagem de uma combinação para outra. Muitas vezes são os corpos gasosos que passam assim, e nenhum rastro prova sua existência no estado livre. *

[ *— As seguintes objeções podem ser levantadas: (1) a inércia da matéria; (2) o fato de que a reação química ocorre mais rapidamente sob o efeito do calor (ver, neste sentido, a lei de Van’t Hoff). Na direção oposta, a termodinâmica mostra que no zero absoluto (-273°), toda reação química deve cessar. O calor intervém assim como um fator na reação, dispersando (liquefazendo) o meio molecular, facilitando a reação, mas a temperatura não modifica de modo algum a sua natureza. Se a reação ocorre rapidamente ou lentamente, o Momento Presente da “passagem” não pode ser localizado no Tempo.]

De fato, assim como na biologia, na conjunção do espermatozóide com o núcleo do óvulo *, bem como na cristalização de um sal, a reação química ocorre fora do tempo. Há, no mundo, efeitos; Mas a distância no tempo entre causa e efeito não existe. Toda criação é constante no eterno Presente.

[ * — A Fertilização compreende os seguintes fenômenos:
a. Atração dos espermatozóides pelos óvulos;
b. Penetração pelo espermatozóide, formação de uma membrana defensiva, contração do protoplasma e formação de líquido entre os dois;
c. Divisão do centro do espermatozóide em dois centrossomas, antes da conjunção dos dois pronúcleos;
d. Conjunção dos dois pronúcleos, enquanto os dois centrossomas se separam;
e. Divisão imediata do novo núcleo (cada grupo de seus cromossomos é atraído por um dos centrossomas).]

Ora, a fecundação — ou seja, o momento vital da conjunção — obedece à lei da Criação; É instantânea, como é, por exemplo, o aparecimento de um cristal em sua solução líquida mãe.

fig. 13 - schwaller  lubicz -  mitose celular - fases - fenomenos.jpg

 

 

O mesmo é verdadeiro para a conjunção de elementos químicos.
É sempre uma questão neste caso (isto é, da relação entre causa e efeito) de um momento vital que, mesmo na matéria inorgânica, obedece à lei universal da Criação: a substância não formada recebe forma, pois é sempre uma questão de uma atividade equilibrada por uma atividade oposta, e a atividade significa o “dinamismo em si” antes de se tornar um corpo dinâmico. O efeito é a neutralização de uma atividade, e esta neutralização nunca ocorre sem a reação fenomenal da resistência; é simplesmente uma cadeia de atividades, sendo a reação uma nova atividade do primeiro efeito, daí a nova causa. É esta “cadeia” que nos parece estar localizada no Tempo e Espaço, enquanto que [na verdade] é uma gestação que é o Tempo; Mas entre Causa e Efeito não existe Tempo. *

[ * — Notemos por esta explicação que o Tempo se torna assim uma quantidade em “duração” pela justaposição de partes, uma espécie de granulação. São essas “partes” ou “quantidades” que são os símbolos do universo e constituem uma cadeia que tem um começo e um fim aparentes (objetivos).]

fig. 14 - schwaller  lubicz -  corda dupla de Aken , as horas , estrelas nascem,  Livro dos Portões - 5 divisão.jpg

 

O princípio do “Momento Presente” não é uma doutrina mística, mas é um fato que tem um caráter místico.

Isso pode ser melhor compreendido através da imagem do eixo. Todo corpo que gira em torno de si gira em torno de um eixo. A projeção tangencial de um diâmetro a partir do plano perpendicular a este eixo é contraditória nas extremidades opostas.

fig. 15 - schwaller  lubicz -  vista, através do polo, do plano perpendicular ao eixo.jpg

No centro — isto é, no eixo — esta projeção é assim cancelada, o que impõe imobilidade a este centro. Para compensar essa impossibilidade, o pólo axial é deslocado e se move na direção oposta à da rotação, criando o movimento de precessão.

[ *— Esta é a minha própria explicação e de modo algum corresponde à explicação “mecanicista” que é dada ao movimento precessional.]

Se pudéssemos impor mecanicamente esta imobilidade neste centro axial durante a rotação do corpo, uma desagregação da matéria necessariamente se seguiria uma vez que uma determinada velocidade fosse atingida.

O eixo, chamado “uma linha imaginária,” é na verdade “um fato de caráter místico”: ele existe e, no entanto, permanece exotericamente incompreensível; ele não é a abstração de um dado concreto; por outro lado, é impossível definir se ele é efeito ou causa.

Se agora consideramos a simbólica como sendo construída com o símbolo concebido como um fenômeno aparente e transitório que liga complementos (isto é, abstrações) unificando em um Presente a descontinuidade do aparecimento na continuidade deste Presente, então a simbólica não mais contradiz o fato histórico, e o fato histórico aparece como o caráter exotérico de uma realidade esotérica. Agora, é a realidade sozinha que tem um valor, que é inelutável, invariável.

No exoterismo nunca se demonstra a causa fora do sistema, exceto com o sistema, portanto, em uma dualidade, um de cujos pólos é deixado à fé.

O símbolo demonstra o esoterismo que, por meio da simbólica, unifica o que é dividido e põe fim ao problema da causalidade. A causa, aparentemente fora do sistema, está nele, eternamente unida e presente, e a criação é constante. Tal-e-tal fenômeno não era; ele está sempre em nosso conhecimento inato, do qual nossa consciência cresce cada vez mais com a experiência.

Assim, a luz traz dentro de si aquilo que age e aquilo em que age: o descontínuo dentro do contínuo.

A Luz é, para a verdadeira Luz (O Gênese de Moisés), o símbolo da Presença que é Causa-Efeito absolutos. A Sucessão — ou seja, o tempo, como a distância entre causa e efeito — é uma ilusão mental e não uma realidade. Este Tempo é inconcebível, então por que imaginá-lo? A Causa não pode ser causa sem produzir um efeito, que será uma nova causa sob as condições adequadas para a sua atividade. Assim, pode haver, na aparência sensorial, uma seqüência de efeitos, mas nunca uma seqüência de causa para efeito. O tempo como gênese — ou a gênese como Tempo — se move na direção do efeito se tornando a nova causa. Assim, a marcha do Tempo é irreversível. Essas são as datas da gênese cósmica, cujas fases são os efeitos (o momento vital estático), como os símbolos — ou “coisas” — subsistem como individualidades que se esgotam, sendo acabadas como tipos e não mais agindo como causas.

Entre a causa original extrema e a última causa final (que se gostaria de chamar de efeito) está o fenômeno, mundo, do qual conhecemos — em diferentes tipos de forma — todos os “momentos estáticos,” isto é, os cadáveres momentâneos que povoam o Universo. Estes são os símbolos da evolução da Consciência — isto é, do Pensamento — através de todas as experiências. Este é apenas o conhecimento atualizado do “Eu” [“Self”] de cada um, ainda latente no acidente do “Mim” [Me].

Só pode haver um caminho nisso apesar da multidão de ramificações. O objetivo é único, há apenas uma Realidade, e os ramos mais selvagens e dispersos enviam sua seiva para este coração.

Como o princípio da função é único, há necessariamente uma relação e uma analogia entre os momentos dos grandes ciclos cósmicos e os pequenos eventos na terra. Por exemplo, podemos encontrar-nos astronomicamente no lugar de Áries (no ciclo de precessão) e o evento da Terra pode atravessar todos os doze signos 2.160 vezes. A influência do “momento vital Ariano” irá operar durante cada momento vital terrestre de cada signo, tanto em Libra como em Leão, etc., colorindo o momento Libra ou Leão com seu temperamento Áries. *

[ * — Este exemplo não tem nenhum propósito astrológico; ele é usado aqui apenas como uma imagem para ilustrar o pensamento.]

Eventos secundários, terciários, ou ainda mais distantes (ramificados) — ou seja, “o histórico” — não podem ser independentes da simbólica do momento. Eles se tornam o símbolo, o estático momento-de-síntese da vida cósmica.

É esta vida do símbolo (seu esoterismo) que se identifica com esta vida, que é a Realidade; ela permite que aquilo que foi, como um acontecimento cósmico e histórico, persista em nós a partir deste momento, porque a vida do símbolo é a experiência da nossa consciência: a Consciência do Microcosmo humano, resumida pelo Homem cósmico, através do qual estamos todos ligados em conjunto.

E se essa consciência é particular para cada pessoa (já que cada indivíduo, de acordo com suas faculdades, pode ou não reconhecer nele o estado do momento), ela permanece, no entanto, universal, presente, assim como um recipiente universal pode conter todas as formas, apenas como a síntese-da-luz pode oferecer todas as aparências. *

[ * — Nesse sentido, observemos um tratado intitulado “Sur le sens unique dans le courant du temps” (“Sobre o significado único no correr do tempo”) de Satosi Watanabe, um discípulo de Louis de Broglie, citado por Lecomte du Nouy em L’Homme devout la science (Paris: Flammarion, 1946) : “Nossa vida psicológica é uma duração contínua: ela é, como diz Bergson, ‘o contínuo progresso do passado, que roe o futuro e enche-se à medida que avança’. Todo nosso passado existe integralmente no nosso presente, e nossa duração não é um ponto que substitui outro ponto ao longo de uma linha, mas o prolongamento de todo o passado, que é preservado no presente.” Esse estudioso, embora um físico, tem um “esoterismo” profundamente “sentido,” para o qual o Tempo, que é “granulação,” não existe.]

Para o esoterismo, um problema de causalidade original não existe.

A Natureza, por outro lado, é o mundo da Criatura; tudo nele é dualizado em sua aparência, a qual é cerebralmente perceptível para nós. Este é o mundo exotérico, o mundo que, para nós, está fora de nós, “objetivo.” Assim, enquanto Deus e o Diabo — popularmente expressos — existam para nós, em seus aspectos extremos, nenhum deles é real, embora eles sejam relativamente verdadeiros.

Somente aquilo que é invariável e indivisível é real: o Momento Presente, eterno e indivisível, cerebralmente incompreensível, mas conhecido por meio de nossa consciência inata. Este é o mundo esotérico, no qual alto e baixo, dianteiro e traseiro, direito e esquerdo, deixam de ser, dando lugar à visão espacial, que, proveniente do centro, pode estender-se em todas as direções ao mesmo tempo dentro do volume (Espaço) que o Espírito (Energia) forma enquanto coagula-se na matéria.

Este devir espacial é a nossa consciência do contínuo (esotérico), e a gênese especificada (o devir do Tempo) é a nossa consciência do descontínuo (exotérico) através da “colocação” de estágios ou fases.

fig. 15 -  barca - de Re-Horakhty -  Seth  - serpente apofis.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

[em construção]

 

Anúncios

Sobre https://estahorareall.wordpress.com/

https://estahorareall.wordpress.com/
Esse post foi publicado em R. A. Schwaller de Lubicz, Símbolo e Simbólica — R. A. Schwaller de Lubicz e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s